10 motivos para você começar a investir em energia solar hoje

10 motivos para você começar a investir em energia solar hoje

Tempo de leitura: 

5 minutos

Que tal minimizar a conta de luz por meio de um investimento acessível e ecologicamente correto, que se paga em poucos anos e, o melhor, continua gerando bons frutos por décadas? Economia financeira e responsabilidade socioambiental são os principais atrativos para a chamada geração distribuída. A prática, muito comum em países desenvolvidos, tem atraído cada vez mais interessados por aqui.

Afinal, em terra de sol forte, não faltam razões para investir em energia solar. Ainda assim, vale destacar que não é preciso um dia ensolarado para viabilizar sua produção. A energia solar fotovoltaica também é produzida com a radiação solar difusa, o que a assegura mesmo em dias nublados e chuvosos.

No post de hoje, apresentamos 10 fatores que esclarecem os benefícios de instalar painéis fotovoltaicos na sua empresa ou residência, independentemente do tamanho do seu consumo de energia. Confira!

1. Investir em energia solar é uma atitude sustentável

Símbolo de energia limpa, a radiação solar é uma fonte renovável e não poluente. Seu uso reduz, consequentemente, a exploração das fontes de energia tradicionais, que geram imensos impactos ambientais.

Ao mesmo tempo, investir em energia solar ajuda a movimentar o setor, gerando mais empregos na área. Em tempo, isso reflete de maneira positiva em toda a cadeia econômica.

2. Rapidez na instalação do sistema é um diferencial

Para a geração de energia, profissionais do setor calculam a média do consumo anual (da empresa ou residência) em quilowatts-hora (kWh) e consideram a tensão da rede, dimensionando o sistema fotovoltaico.

O processo de aquisição e instalação dos painéis é feito em poucos dias. Em paralelo, iniciam-se os trâmites com a concessionária de energia. O prazo para conectá-los à rede distribuidora varia de região para região. Em média, leva cerca de um mês.

3. O investimento é recuperado em poucos anos

A quantidade de módulos fotovoltaicos instalados depende do quanto se pretende economizar. Ao mesmo tempo, o custo da instalação acompanha o valor do watt.

Considerando a redução máxima da conta de luz, em um estabelecimento comercial ou residencial com consumo médio, o investimento no sistema é recuperado em, aproximadamente, quatro anos.

4. Economia na conta de luz é imediata e duradoura

Mesmo que haja autossuficiência energética, ainda assim é preciso fazer o pagamento da tarifa do chamado custo de disponibilidade (R$/kWh), conforme determinação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Porém, não é preciso se preocupar com a instabilidade do preço da energia elétrica — que tem variado muito ao longo dos últimos meses. Lembre-se de que, como medida complementar e indispensável, o uso de lâmpadas LED e outras práticas de eficiência são essenciais para a redução no consumo de energia.

5. Não é necessário ter um terreno amplo para os painéis

Quando a potência instalada for igual ou menor a 75 kW, trata-se de microgeração distribuída. Já quando for maior que 75 kW e menor que 5 MW, trata-se de minigeração distribuída.

Os módulos são, geralmente, instaladas no telhado. Porém, a área dele não é um fator limitante, pois os módulos fotovoltaicos podem ser dispostos em suportes no piso, aumentando a capacidade de gerar energia elétrica sempre que desejável.

6. O abastecimento ininterrupto é garantido

Existem duas categorias de sistemas fotovoltaicos: off-grid e on-grid. O primeiro refere-se aos sistemas isolados, com módulos fotovoltaicos (que transformam a luz solar em energia elétrica), controlador de carga (que evita o excesso de carga nas baterias), banco de baterias (que armazena a energia para uso posterior), e inversor solar (que converte a energia das baterias de corrente contínua em alternada, tornando-a adequada para eletrodomésticos em geral).

Nesse sistema, como não há dependência direta da rede concessionária, quando falta energia o abastecimento é garantido pelas reservas existentes no banco de baterias.

O outro sistema é o on-grid. Conectado à rede, ele dispensa o banco de baterias. Por meio do inversor, a energia em corrente contínua é transformada em energia com a mesma tensão e frequência da rede elétrica. O que sobra da produção passa para a rede e, quando necessário, retorna à unidade consumidora.

7. Gerar energia para outras unidades é simples e viável

Se a quantidade de energia gerada no mês for maior do que a consumida, o excedente passa para a rede distribuidora, que gera um crédito de energia. O saldo pode ser abatido na conta de luz seguinte ou transferido para outra unidade consumidora cadastrada.

O autoconsumo remoto é possível desde que a unidade esteja sob o mesmo titular e pertença à mesma área de atendimento da rede distribuidora. Assim, é possível transferir o crédito para outros estabelecimentos ou residências.

8. O retorno financeiro é realmente vantajoso

Vale destacar que o fato de não haver troca de dinheiro, mas sim de créditos de energia elétrica, exime o consumidor de uma série de impostos. Se fosse caracterizada uma relação comercial, isso não seria possível. Para especialistas, os retornos financeiros decorrentes da economia são muito mais vantajosos.

Além disso, para incentivar a adesão à energia solar fotovoltaica, bancos oferecem linhas de financiamento para a aquisição e instalação da estrutura necessária em empresas e residências.

9. A valorização imobiliária é comprovada

O investimento em tecnologia valoriza o imóvel. Para estimar o ganho, especialistas no setor imobiliário consideram o tempo de vida do sistema com a economia que agrega. A vida útil dos módulos é de cerca de 30 anos e, do inversor solar, 10 anos.

No que diz respeito à manutenção, basta realizar a limpeza dos painéis com um pano úmido a cada seis meses, em média. Automatizado, o sistema operacional pode ser monitorado, em tempo real, via smartphone ou computador.

Na ocorrência de qualquer anormalidade, o proprietário fica sabendo imediatamente. Fora isso, o sistema fotovoltaico não emite qualquer ruído, o que por si só é um diferencial, especialmente para quem já tem de conviver com o barulho dos centros urbanos.

10. O marketing é espontaneamente beneficiado

Um bônus indireto, no caso da instalação em empresas, é o fato da adesão a uma prática sustentável gerar um marketing espontâneo e positivo. Toda a comunidade se beneficia.

Por tudo isso, cada vez mais pessoas têm apostado na mini e microgeração distribuídas. Até a metade de 2017, o Brasil já havia dobrado o número de painéis de energia solar e a tendência é continuar se expandindo.

Já que motivos para investir em energia solar não faltam, conte-nos quais acha mais interessantes deixando seu comentário no post!