15 motivos para não ignorar o mercado de energia solar

15 motivos para não ignorar o mercado de energia solar

Tempo de leitura: 

7 minutos

Nós já falamos aqui em nosso blog sobre os benefícios de investir em energia solar e também sobre as principais dúvidas que alguém pode ter a respeito desse tipo de geração de energia. Entretanto, parece que sempre surgem mais e mais questionamentos.

Nós estamos aqui para te ajudar a respondê-los, por isso fizemos este post com 15 motivos para você não ignorar o mercado de energia solar. Confira!

1. A necessidade global de gerar energia limpa

Dada a grande ameaça do aquecimento global, o Protocolo de Kyoto foi realizado com foco na redução da emissão de carbono e também no aumento do percentual de geração de energia limpa. Nesse cenário, há um acerto para o aumento gradativo da energia renovável na matriz energética global, o que certamente vai impactar na redução de seus custos.

2. O alto preço da energia elétrica

A energia elétrica no Brasil é uma das mais caras do planeta, embora tenhamos grande participação de geração hidroelétrica. Nossos custos de transmissão e distribuição de energia são muito altos, somados também a uma carga tributária gigantesca. Por isso, vale muito a pena considerar gerar a sua própria energia e pagar somente a taxa mínima para a concessionária.

3. A previsão de novos aumentos de energia elétrica

A energia elétrica no Brasil vem aumentando consideravelmente desde o ano de 2017, muito em função de repasses às transmissoras de energia, pendentes de um investimento realizado na década passada. Segundo a ANEEL, esse repasse durará 10 anos, ou seja, o cenário que se desenha é de um aumento sustentável e constante, ao contrário da energia solar, cujo preço tem caído constantemente.

4. O amadurecimento tecnológico dos sistemas fotovoltaicos

A grande produção de equipamentos fotovoltaicos a nível global faz o seu custo de produção despencar. Os projetos que no ano passado custavam mais de R$ 6000,00 por kW caíram para R$ 4500,00 o kW, tornando ainda mais viável o investimento.

5. O investimento em novas tecnologias para tornar ainda mais útil a geração de energia própria

Existe uma grande janela tecnológica de aprimoramento dos sistemas de geração distribuída. A nova fase está conectada ao armazenamento da energia gerada e a autonomia das gerações próprias.

Num futuro muito próximo, além de gerar a energia, o consumidor produtor poderá escolher o horário de aproveitamento, gerir sua conta de energia por meio de segmentação dos horários de consumo e também ter autonomia em relação à concessionária.

6. O custo de implantação da energia solar já é mais baixo que a implantação de usinas termoelétricas

Atualmente, implantar geração de energia solar é mais barato do que implantar geração termoelétrica. Isso também vai impactar nas estratégias em nível de geração centralizada. Embora a energia renovável tenha característica de intermitência, sua implantação a nível complementar tornar-se vantajosa.

7. O mercado de energia solar tem pouca mão de obra especializada

O mercado de energia solar no Brasil iniciou a sua expansão em 2014, fruto do aumento nas contas de energia elétrica de mais de 50%. Nesse período, os projetos começaram a se tornar viáveis. No entanto, poucos profissionais trabalhavam na área.

Nos últimos 5 anos, muitos profissionais entraram no mercado, mas o crescimento exponencial da geração solar vai demandar um número muito grande de profissionais capacitados. Estima-se que até 2020 o Brasil tenha 60.000 profissionais trabalhando nesse setor.

8. O Brasil tem grande potencial natural de radiação solar

Os painéis solares devem ser instalados em um local que receba uma grande quantidade de luz solar, otimizando a geração de energia. Todo esse processo precisa da luz solar, sendo indispensável verificar se ela é suficiente e certificar-se que não haja sombras na área de instalação dos painéis.

O Brasil tem uma capacidade natural de geração de energia solar. A radiação solar em grande parte do território é farta e capaz de gerar uma grande quantidade de energia elétrica por m².

Os locais do Brasil com a menor média de Horas de Sol Pico no ano, ainda assim têm capacidade maior do que os países europeus, que já têm participação significativa da energia solar em sua matriz energética.

Essa vantagem associada à realidade de que os consumidores estão cada vez mais aptos a gerar a própria energia, provoca uma corrida entre as empresas para conquistar uma parte desse mercado em ascensão.

9. Números apontam para um crescimento exponencial nos próximos 5 anos

Fazendo uma relação com outras nações que tiveram o crescimento da energia solar na matriz energética, é possível perceber que o Brasil está caminhando para um crescimento exponencial nos próximos 5 anos.

10. A legislação para a compensação da energia está consolidada e flexibiliza a utilização de geração distribuída

Em 2012, com a regulamentação do sistema de compensação de energia gerada por meio da RES. 482 da ANEEL, posteriormente aprimorada na RES. 687, ocorreu um movimento de fomento à implantação de energia distribuída. As formas de compensação estimulam financeiramente os projetos e viabilizam a implantação para qualquer unidade consumidora.

Além disso, atualmente 24 estados do país dão isenção de ICMS (imposto sobre circulação de mercadorias e serviços) para os consumidores que geram sua própria energia. Com isso, não há tributação quando se utiliza a energia excedente enviada para a distribuidora.

11. O retorno financeiro dos projetos está cada vez mais rápido

Atualmente, o retorno dos investimentos em geração de energia solar é de 3 ou 4 anos para consumidores com tarifa B. Para consumidores do grupo A, o retorno do investimento é de 6 ou 7 anos. Analisando a janela de vida útil do equipamento, de 25 anos, o investimento vai gerar um grande ganho de capital ao longo desse período.

12. O investimento em energia solar já é mais rentável que vários modelos de investimentos convencionais

Analisando somente a economia de energia elétrica, os ganhos mensais do investimento em energia solar são bem mais atrativos que muitos investimentos convencionais, como poupança, aplicações em títulos da dívida pública e títulos do governo.

13. Gerar sua própria energia é uma prática sustentável, que personifica a imagem positiva dos empreendedores

Os consumidores que escolhem a energia solar já economizam a partir do momento em que as placas começam a gerar energia. Essa economia varia entre 50% e 95%, e a conta só não vem zerada porque existe uma taxa mínima que é cobrada por toda concessionária.

Além disso, a energia produzida pela luz solar tem baixo impacto ambiental, pois não há emissão de gases que agravem o efeito estufa, como acontece com as termoelétricas, e também não é necessário inundar áreas gigantescas, como ocorre na construção das usinas hidroelétricas.

Atualmente, toda empresa quer mostrar para o mercado uma imagem positiva e de sustentabilidade, pois isso gera confiança e credibilidade para a empresa. Gerar sua própria energia e de forma limpa é um conceito positivo que o empreendedor vai agregar ao seu negócio.

14. Os projetos de geração fotovoltaica estão cada vez mais precisos e com uma maior riqueza de informações

A utilização de softwares especialistas em projetos de geração de energia solar torna cada vez mais precisa a estimativa de geração. Monitoramos 15 sistemas nos últimos meses e percebemos uma variação de +- 5% de geração de energia em relação ao projetado. Ou seja, os projetos são bem concebidos e apresentam grande taxa de confiabilidade.

15. Possibilidade de geração compartilhada de energia

A geração de energia compartilhada consiste na união de pessoas ou empresas para a formação de um tipo de associação. Essa união tem como objetivo a economia na conta de luz e a diminuição de impactos ambientais. O investimento no mercado de energia solar traz retorno a longo prazo e se torna um patrimônio.

Essa modalidade de geração de energia é regulamentada desde 2015 pela ANEEL, que permite que dois ou mais consumidores se unam para compartilhar a energia gerada por um sistema. A única restrição é que os usuários devem estar próximos, na mesma localidade em que aquela concessionária de energia opera.

A geração compartilhada traz inúmeros benefícios, veja os principais.

Segurança

As fontes de energia da geração compartilhada são inesgotáveis e contam com tecnologia de alta qualidade em seus equipamentos, fazendo com que eles durem por muitos anos e sejam mais econômicos.

Além de ter previsão do valor que será gasto, o consumidor também se sentirá seguro para apostar em negócios que dependam da eletricidade, pois não terá prejuízos caso hajam quedas na rede.

Diminuição de perdas

A energia compartilhada proporciona um sistema de crédito e débito com a concessionária. Os custos com materiais e mão de obra são compartilhados, o que acarreta em menos despesas para cada pessoa ou empresa.

Economia

A geração de energia compartilhada é muito econômica, pois apesar de ser um investimento a longo prazo, traz retorno imediato na conta de luz. Dependendo da quantidade de energia gerada, esse retorno pode ser ainda mais rápido.

A geração compartilhada é um mercado de energia solar que surge como uma solução muito benéfica para quem a utiliza, assim como para o meio ambiente. Além de ser um investimento seguro, pode aumentar imediatamente o faturamento da sua empresa.

Depois de tantos motivos, fica fácil perceber como não dá mais para ignorar o mercado de energia solar, né? Caso tenha gostado deste post, entre em contato conosco para ter acesso a mais informações!