Como sua empresa pode se proteger da crise energética?

Como sua empresa pode se proteger da crise energética?

Tempo de leitura: 

5 minutos

Gerir uma empresa não é uma tarefa fácil, afinal, é necessário estar preparado para enfrentar as adversidades do mercado e eventuais crises, sejam elas econômicas ou de setores responsáveis pelo fornecimento de recursos imprescindíveis à linha de produção, por exemplo, o da energia elétrica.

Por falar nisso, não é de hoje que esse setor tem enfrentado problemas. Desde de 2001, quando o Brasil passou por sua maior crise energética, o sistema de produção e fornecimento de energia não sofreu muitas modificações, uma vez que seu maior alicerce continua sendo as hidrelétricas.

Nesse cenário, o valor da conta de luz se tornou uma preocupação dos brasileiros, sobretudo dos empresários, pois os altos gastos com energia atrapalham os planos de redução das despesas, afetando significativamente a rentabilidade de qualquer empreendimento.

Por isso, preparamos este post com algumas dicas para evitar os impactos da crise energética no seu negócio. Mas, antes, você precisa conhecer melhor quais são os problemas enfrentados pelo setor energético. Confira a seguir um breve panorama!

Lembre-se da crise energética

Certamente você se lembra do “apagão de 2001”, episódio em que o Brasil enfrentou grandes problemas no fornecimento de energia, provocados, principalmente, pela baixa dos reservatórios das hidrelétricas. Na época, para evitar o desabastecimento e um “apagão” geral, o governo adotou uma série de medidas para reduzir o consumo, por exemplo, políticas de racionamento e cortes no fornecimento de iluminação pública.

Com o intuito de deixar o setor menos suscetível às intempéries climáticas, o poder público investiu em termelétricas, onde a energia é produzida pela queima de combustíveis, tais como gás natural, óleo combustível e carvão mineral. No entanto, essas fontes não são renováveis e, na maioria das vezes, contribuem para a poluição do meio ambiente, liberando gases causadores do efeito estufa.

A ausência de implementação de políticas efetivas para solucionar os problemas fez com que os índices de desabastecimento registrados em 2001 começassem a se aproximar em 2014/2015, o que aumentou a dependência da energia vinda das termelétricas, bem mais cara do que a oriunda de uma hidrelétrica, e deixou em iminência o risco de novos “apagões”.

Assim, para reduzir os impactos da utilização da energia provinda das termelétricas nas contas das distribuidoras, o governo implementou o sistema tarifário, estabelecendo variações no valor do KWh de acordo com o nível dos reservatórios de água. Ou seja, quanto menos energia as hidrelétricas produzirem, maior será o valor pago pelo consumidor.

Agora que você já sabe que o sistema energético do país não vai bem e que isso reflete diretamente no orçamento do consumidor, confira a seguir algumas dicas para reduzir os impactos dele na sua empresa!

Crie uma política de redução do consumo

Conscientizar todos os funcionários acerca da necessidade de redução dos gastos com a energia é fundamental para alcançar uma economia no consumo e, consequentemente, na conta de luz.

Inserir avisos no local de trabalho para lembrar os colaboradores de desligarem os equipamentos no final do expediente gera uma economia significativa, uma vez que o consumo dos aparelhos (por exemplo, impressoras, computadores etc.) no modo standy by, pode aumentar em até 80% o consumo de energia se comparado a quando eles estão ativos. No final do mês, isso faz uma grande diferença.

Verifique a instalação dos aparelhos de sua empresa

Quando as instalações elétricas são planejadas, normalmente, são instaladas tomadas apropriadas para os equipamentos de alta potência, por exemplo, máquinas de médio e grande porte e ar-condicionados.

Se essas especificações não são levadas em consideração no momento de instalação dos equipamentos, além de eles não funcionarem da forma ideal, o consumo de energia será bem maior. Por isso, vale a pena verificar as instalações dos aparelhos de sua empresa.

Utilize equipamentos que consomem menos energia

Embora algumas pessoas ainda acreditem que não faz muita diferença, o uso de aparelhos que apresentam um menor consumo energético reduz significativamente o gasto no final do mês, sobretudo nas empresas.

Substituir aparelhos que gastam muita energia por outros mais econômicos, normalmente, os mais modernos, geram uma redução na conta, o que, em poucos meses, pode ser suficiente para pagar o custo inicial.

As luzes de LED, por exemplo, além de terem uma vida útil muito maior que as lâmpadas fluorescentes e incandescentes, apresentam um consumo energético bem inferior às outras opções. Enquanto as incandescentes e fluorescentes chegam a consumir 60 e 15 watts, respectivamente, as de LED gastam em torno de 6 a 8 watts.

Invista em energia solar

Embora as dicas acimas sejam fundamentais para alcançar uma redução no consumo de energia, elas não afastam os impactos de uma crise energética, principalmente os riscos de apagões e a suscetibilidade às variações das bandeiras tarifárias. Afinal, você continua completamente dependente da produção das hidrelétricas e termelétricas.

Por isso, as empresas têm recorrido cada vez mais às fontes renováveis para produzirem sua própria energia, por exemplo, a luz solar, extremamente abundante e disponível a todos.

A utilização da luz solar como fonte de energia se tornou possível graças aos sistemas fotovoltaicos. Quando a luz atinge os painéis fotovoltaicos, é desencadeada uma série de reações que liberam elétrons, produzindo correntes elétricas.

Apesar de demandar um investimento inicial, a instalação do sistema fotovoltaico reduz os gastos com a conta de luz e, consequentemente, ajuda no planejamento financeiro de sua empresa e na otimização dos recursos.

É importante ressaltar que os equipamentos, principalmente se forem de boa qualidade e instalados corretamente, têm uma vida útil longa — em média, de 25 anos. Ademais, em regra, eles não demandam gastos com manutenção. Com isso, o próprio equipamento se paga.

Vale lembrar que a energia solar é uma fonte renovável e limpa, portanto, não produz resíduos, nem gases causadores do efeito estufa, o que contribui para a manutenção de um meio ambiente equilibrado e saudável.

Ao optar pela utilização de uma fonte de energia sustentável, você contribui para a construção e consolidação de uma boa imagem da sua empresa no mercado, uma vez que cada vez mais as pessoas valorizam e priorizam produtos e serviços de instituições que se preocupam com o meio ambiente.

Como você viu, a energia solar oferece muitas vantagens, inclusive, diante da iminência de uma crise energética. Com a baixa dos reservatórios e as termelétricas operando em capacidade máxima, qualquer falha de um equipamento pode gerar um desabastecimento. Além disso, ficar suscetível aos aumentos de preço das taxas de energia é um risco para saúde financeira de qualquer empreendimento.

Agora que você já sabe como a sua empresa pode se proteger da crise energética, confira como escolher o melhor painel solar!