Energia Solar no Brasil: como o país está investindo nessa prática?

Energia Solar no Brasil: como o país está investindo nessa prática?

Tempo de leitura: 

5 minutos

O uso de energia solar no Brasil tem se expandido bastante, pois as pessoas estão se conscientizando cada vez mais a respeito da necessidade de adotar práticas sustentáveis que ajudem a reduzir os custos e não agridam tanto o meio ambiente.

No mês de setembro de 2017, os dois maiores empreendimentos de energia solar de toda a América Latina foram inaugurados no Brasil: um no Piauí e outro em Minas Gerais. Pertencem as empresas do exterior que venceram em leilões promovidos pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) e, com isso, ganharam o direito de investir em usinas.

Leia o post e saiba mais sobre a energia solar no Brasil!

Os problemas de energia solar no Brasil

Existem muitos problemas que precisam ser superados até que a energia solar no Brasil alcance um patamar mais elevado. Os investidores precisam se interessar mais pelo investimento nessa área, mesmo que sejam investidores estrangeiros (como no caso das usinas citadas na introdução).

Mas é claro que os empreendedores brasileiros também precisam focar nessa área, visualizando oportunidades e boas perspectivas de crescimento e rentabilidade. Infelizmente, muitos empreendedores do país dão preferência aos carros importados no momento de investir.

Há que considerar também o lobby das grandes construtoras que pretendem construir mais reservatórios, causando inundações nas nossas matas. É necessário vencer a pressão de muitas distribuidoras de energia, cuja finalidade é vender ao consumidor a energia e não permitir que ele produza sua própria energia a partir do sol, seja para alimentar sua casa ou mesmo sua empresa.

Apesar de a energia solar ser uma perspectiva promissora em um país com elevada insolação como o Brasil, não existem ainda estratégias ou propostas mais amplas oriundas do Congresso ou do Governo Federal. Há, inclusive, quem defenda o aumento na taxação para a energia solar — mesmo sabendo que a tributação no setor já é considerada alta, especialmente sobre os equipamentos.

Outro problema é a mão de obra qualificada. O setor, em 2016, cresceu mais de 300%. Analisando assim, percebe-se que existem muitas oportunidades de emprego para os trabalhadores brasileiros. São muitos os profissionais que atuam para assegurar bons investimentos, projetos e execuções eficientes, que atendam às necessidades específicas do público.

Esse crescimento, no entanto, juntamente com as boas perspectivas futuras, implica em uma reavaliação sobre o nível de capacitação dos profissionais, a fim de que a geração de energia solar mantenha-se em ritmo progressivo. A mão de obra deve ser qualificada em todos os sentidos: operacional, técnico e comercial. Somente assim, será possível estruturar de forma profissional a geração de energia solar no Brasil.

A verdade é que o mercado fotovoltaico do Brasil ainda não conta com mão de obra qualificada suficiente para suprir a demanda. Desse modo, muitos profissionais se propõem a instalar (e mesmo a projetar) sem contar com conhecimentos e prática adequados.

Essa situação pode levar à queda no desempenho do sistema fotovoltaico em médio ou longo prazo, além dos riscos envolvendo a segurança do próprio profissional e do usuário. Por isso, é importante saber que o engenheiro eletricista é o profissional mais bem preparado para projetar e instalar um sistema fotovoltaico.

As vantagens da energia solar

Um sistema de energia solar oferece diversos benefícios ao usuário. Em relação aos benefícios de natureza puramente econômica, podemos destacar:

  • redução na conta de energia elétrica (a pessoa pode mesmo ficar pagando somente a taxa obrigatória e a iluminação pública);
  • valorização do imóvel;
  • queda do uso de energia das usinas hidrelétricas, o que contribuirá para que o preço da energia diminua em todo o país;
  • geração de milhares de emprego anuais.

Para você ter ideia, uma usina solar de 100 MWp pode produzir energia para abastecer até 20 mil casas!

Em relação à natureza, podemos citar benefícios como: redução na invasão de áreas florestais para construir hidrelétricas (como a de Belo Monte, na bacia do Rio Xingu, perto da cidade de Altamira, no Pará) e a redução na emissão de CO2 (uma usina hidrelétrica pode emitir em torno de 175 mil toneladas de gás carbônico ao ano).

Algumas vantagens gerais da energia solar são as seguintes:

  • trata-se de uma energia completamente renovável;
  • é infinita;
  • exige pouquíssima manutenção;
  • não faz barulho;
  • não polui o meio ambiente;
  • possui custo baixo se considerarmos a vida útil do sistema (ou seja, o custo-benefício compensa);
  • a instalação é fácil;
  • pode alcançar áreas remotas, onde não há energia.

Os tipos de energia solar existentes no Brasil

Depois de considerar as perspectivas, os problemas e as vantagens da energia solar no Brasil, vale a pena analisar quais são os tipos de sistema que geram energia solar. O mais conhecido é o fotovoltaico, mas há outros.

O sistema fotovoltaico

Apesar de ser um sistema embrionário, vem crescendo exponencialmente no Brasil, especialmente devido aos reajustes constantes na conta de energia elétrica.

Até 2012, esse sistema, provido por painéis solares, era utilizado apenas em áreas nas quais não existiam rede elétrica. Depois de 2012, a partir da regulamentação da ANEEL, permitiu-se a integração de energia solar com a energia elétrica.

Com o perigo de apagões e a queda nos níveis dos reservatórios, além do aumento nas contas de luz, as indústrias nacionais iniciaram investimentos em sistemas fotovoltaicos para assegurar o fornecimento de energia a menores custos. Dessa maneira, o setor industrial consegue “estabilizar” os gastos com uma despesa fixa: a conta de luz.

A energia solar térmica

Por meio de um sistema específico, o calor do sol é transferido para a água, aquecendo-a ou evaporando-a para alimentar as turbinas. No Brasil, a energia solar térmica é usada principalmente para o aquecimento de água.

O concentrado solar

Trata-se de um equipamento cuja finalidade principal é evaporar água para produzir energia elétrica. Um das formas mais comuns é usando espelhos que, por meio de computadores, acompanham o sol, refletem e concentram a luz no alto de uma torre onde está a água.

A água se evapora por causa do calor, sendo o vapor aplicado para gerar turbinas geradoras de eletricidade. No Brasil, o sistema ainda está em fase de testes em laboratório. É na Califórnia que está a maior usina de concentração solar do mundo.

O coletor solar

São usados no país com a função principal de aquecer a água de piscinas, chuveiros e processos das indústrias. É chamado também de aquecedor solar — a tecnologia mais desenvolvida e usada no país entre as tecnologias de energia solar.

Há até leis que obrigam algumas residências e estabelecimentos comerciais a utilizar o coletor solar para aquecer a água, respeitando o porte e o perfil da construção. Os tubos evacuados são uma alternativa para os coletores, sendo mais eficientes que eles.

O que você acha da energia solar no Brasil? Aproveite e compartilhe este post em suas redes sociais para que mais pessoas se esclareçam sobre o assunto!