Entenda a relação entre a Indústria 4.0 e energia solar!

Entenda a relação entre a Indústria 4.0 e energia solar!

Tempo de leitura: 

5 minutos

A Indústria 4.0, também chamada de Quarta Revolução Industrial, surgiu no ano de 2013, na Alemanha, devido a uma tecnologia desenvolvida pelo governo local. A finalidade era permitir que a produção industrial ficasse totalmente independente das atividades humanas. A Indústria 4.0 corresponde, portanto, à era da automação das fábricas, devido às transformações digitais e tecnológicas intensas que atravessamos há alguns anos.

A Quarta Revolução Industrial reúne processos digitais com máquinas aptas a operar e até tomar algumas decisões sozinhas. No contexto econômico, é possível obter redução de custos com energia elétrica, ainda mais se considerada a adoção de práticas mais sustentáveis. Veja a relação que existe entre esse conceito de indústria e a energia solar!

A indústria 4.0 e a energia solar

Uma das principais finalidades da Quarta Revolução Industrial é evitar as ineficiências no ciclo de produção industrial. Ela procura usar da melhor forma os recursos naturais, com moderação e controle. O uso consciente também envolve a redução na produção de resíduos. Em alguns casos, a indústria consegue eliminar a geração de resíduos, pois opta por soluções mais consolidadas que ajudam a prolongar a vida útil dos equipamentos.

O setor de energia elétrica deve ser alvo de análise pela Indústria 4.0 para que haja menos desperdícios. A energia solar é recomendada pelos especialistas como uma das melhores fontes de energia sustentáveis, sendo uma das que prometem mais benefícios.

A energia solar nas indústrias

Por que usar energia solar nas indústrias? Basicamente, pelas mesmas razões pelas quais usamos em outros lugares, como empresas e residências. O setor industrial mostra-se cada vez mais interessado pelas novas tecnologias disponíveis no mercado, pois elas servem para otimizar processos e operações e reduzir gastos.

Essa busca por soluções tecnológicas é, principalmente, destinada a diminuir custos operacionais, inclusive de energia elétrica. Assim, as indústrias veem com bons olhos os sistemas que captam energia solar, os sistemas fotovoltaicos.

Essa solução, além de reduzir despesas, também promove a redução dos impactos no meio ambiente, que são resultantes do uso de energia gerada por fontes não renováveis, como os combustíveis fósseis, ou por fontes hidrelétricas, que, mesmo renováveis, provocam um grande impacto ambiental, alagando imensas áreas para a edificação das barragens.

A energia solar reduz os custos

Já deixamos claro que um sistema de energia solar ajuda a diminuir gastos na indústria. Conforme levantamento efetuado pela ABDI (Associação Brasileira de Desenvolvimento Industrial), a Indústria 4.0 está oferecendo uma redução de custos anuais no segmento industrial estimada em, pelo menos, R$ 73 bilhões. Desse total, R$ 34 bilhões estão associados à diminuição de custos com manutenção de máquinas e R$ 7 bilhões se relacionam à eficiência energética.

Logo, a eficiência energética é um dos pilares de uma indústria sustentável. Nesse sentido, o sistema fotovoltaico é uma ótima solução. Para as indústrias, o custo-benefício pode ser ainda maior. Ainda que seja necessário investir um capital mais alto, o retorno financeiro pode acontecer em um período relativamente curto. Na verdade, os benefícios começam a ser sentidos imediatamente.

O sistema fotovoltaico é formado por um coletor que capta a radiação e a transforma em energia elétrica, que é distribuída para toda a indústria. Ainda, é possível armazenar o excedente da energia em baterias, para usar posteriormente.

Antigamente, era comum o uso de geradores em ambientes muito grandes, como hospitais e indústrias. Mas o sistema fotovoltaico é mais eficiente, já que substitui a energia elétrica convencional por um tipo de energia mais sustentável, que faz uso do sol para transformar a radiação em energia elétrica — e o sol é uma fonte renovável e inesgotável de energia.

A instalação simplificada

Também devemos considerar o quanto a indústria pode ganhar com o sistema fotovoltaico em termos de simplificação. Ele pode ser instalado com facilidade, desde que o procedimento seja efetuado por bons profissionais. Não é uma operação trabalhosa de forma alguma. Além disso, a manutenção do sistema é simples, não requer habilidade especial e não precisa ser feita com muita regularidade. A limpeza consiste, basicamente, em um pano macio, água e sabão neutro.

Um sistema de captação de energia solar apresenta uma durabilidade elevada, entre 25 a 30 anos, com aproveitamento de 80%. E isso fora as evidentes vantagens em relação ao sistema de energia elétrica convencional, cuja instalação na rede é muito mais complexa, além de a manutenção ser muito maior.

Desse modo, com instalação e cuidados mais simples, a indústria também ganha em economia, pois reduz seus custos consideravelmente, não somente com as contas mensais de energia (que geralmente são muito altas no setor industrial), mas também em outros aspectos.

Os estacionamentos das fábricas podem ser beneficiados com o sistema de captação de energia solar. É possível planejar coberturas que se ajustem às placas fotovoltaicas, aproveitando melhor áreas descobertas e dando origem a uma miniusina solar.

Os incentivos fiscais e bancários

Outra forma de compreender como se processa a relação entre a Indústria 4.0 e a energia solar é considerando os incentivos fiscais para utilizar o sistema fotovoltaico. No Brasil, a matriz energética é formada especialmente pelas hidrelétricas. No entanto, essa matriz está passando por uma crise, já que alguns fatores, especialmente a falta de chuvas, podem comprometer o potencial de atender toda a demanda.

Levando em conta esse problema e os custos altos de aquisição que envolvem a energia elétrica convencional, estão aparecendo formas de financiamento para estimular a aplicação da energia solar em indústrias. O BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento), por exemplo, tem ajudado no desenvolvimento da energia solar no território brasileiro, por meio de regras mais flexíveis e dos subsídios de juros.

O banco estatal oferece financiamento para que a indústria adquira os coletores solares. A taxa de juros desses empréstimos varia entre 2,3% a 5,5% (juros anuais), variação que obedece ao nível do risco. Porém, sem considerar valores, os juros ficam sempre abaixo da inflação. O BNDES acredita que ferramentas com tecnologias mais sofisticadas devem ser atraídas para o Brasil.

A Indústria 4.0 tem como principal objetivo revolucionar a produção fabril, automatizando (quase) todas as operações e processos. Mas ela pretende ainda reduzir custos e valer-se de práticas sustentáveis para impulsionar o negócio. Nesse sentido, o sistema fotovoltaico é uma das melhores soluções para reduzir gastos com energia elétrica, evitar danos ao meio ambiente e aplicar uma tecnologia cujo custo-benefício é excelente para o setor industrial.

O que achou do artigo? Deseja continuar lendo? Aproveite e confirme como é simples a instalação dos sistemas fotovoltaicos: veja como instalar energia solar em empresas e residências!