Financiamento para energia solar: A solução para a difusão da tecnologia

Financiamento para Energia Solar

Tempo de leitura: 

3 minutos

Não há dúvidas que o financiamento para energia solar foi o grande impulsionador da difusão da tecnologia nos últimos anos. Atualmente mais de 80% das operações são realizadas através de financiamentos, esse número reforça a importância da prática no mercado de geração distribuída. Mas, por que financiar equipamentos de energia solar são de longe a forma mais fácil de adquirir seu projeto?

Decerto, a facilidade do crédito e a dispensa de garantias reais, em alguns casos, tornam a solução de financiamento mais atrativa para quem está investindo no projeto. Outro fator que vem ajudando muito é a análise financeira, onde na maioria das vezes a prestação do financiamento fica igual ou inferior a economia de energia, nesse caso, o cliente troca o parcelamento de um investimento em um ativo por custo fixo. Assim, o projeto inicia viabilizado, sem precisar fazer um desencaixe financeiro, além disso, conta com uma rentabilidade pequena, mas garantida, a partir do momento da ligação do gerador a rede da concessionária.

No Brasil, temos uma quantidade enorme de linhas compatíveis e específicas para energia solar, as taxas variam de acordo com a linha, banco e também com o cliente. A HCC Energia Solar preparou um e-book muito bacana onde detalha várias linhas e taxas de financiamento, indispensável para quem deseja financiar seu sistema de energia solar.

Também é importante ressaltar que as linhas com juros mais baixos são destinadas ao agronegócio e em alguns casos há necessidade de utilização de equipamentos nacionais, com código FINAME. Essas linhas são bem viáveis e possuem um longo período de carência, no entanto, o preço dos equipamentos são um pouco mais caros em função da nacionalização. Normalmente, as linhas com prazos maiores que 72 vezes viabilizam melhor os projetos de minigeração, isso se dá em função das tarifas pagas por esse tipo de consumidor e a característica de mais prazo para que a prestação fique dentro da economia de energia.

Nos consumidores de microgeração, que pagam normalmente uma tarifa de energia mais cara, a conta é mais simples, em muitos casos com prazos de 48 e 60 vezes já se tem o equilíbrio das contas. Esse tipo de avaliação é muito importante para a viabilidade dos projetos, além disso, o relacionamento do cliente com o banco pode ajudar para a construção de taxas efetivas menores, o que sempre é bem vindo em um projeto desse porte.

Atualmente, muitos bancos apostam em plataformas digitais para a liberação rápida dos recursos, em alguns casos o crédito é liberado em algumas horas, facilitando o tramite e desburocratizando os processos. Outro ponto positivo é que a maioria dos bancos possuem carências que variam de 60 a 90 dias, ou em alguns casos superiores, isso permite que o projeto seja conduzido, instalado e devidamente aprovado pela concessionária, o que traz tranquilidade para quem está investindo e uma praticidade muito grande para a empresa que está executando o projeto.

Com a chegada da crise do Corona Vírus percebemos um recuo estratégico dos bancos na liberação dos recursos, entretanto, já é possível perceber que há um movimento de volta à normalidade. Com a redução da taxa básica de juros, acreditamos que as taxas continuarão competitivas, tornando os projetos cada vez mais viáveis. Outro ponto relevante é que há um aumento na competitividade dos projetos de pequeno porte, motivados por uma disputa maior entre players de módulos e inversores, o que está acarretando num barateamento das soluções de pequeno porte, voltadas a residências e pequenos comércios. Com essa combinação, esse tipo de projeto passa a ter competitividade em financiamentos. Nos últimos 3 meses percebemos que o percentual de financiamentos em projetos de residências aumentou 40% em relação aos meses anteriores, fato que comprova esse movimento nesse perfil de consumidor de energia.

Fica assim evidente que o financiamento é fundamental para a expansão da geração distribuída no Brasil e que é uma importante ferramenta na busca por independência energética. Não há dúvidas que sem essa oferta de crédito nosso setor não estaria tão desenvolvido e indo mais além, os bancos tem nos investimentos de energia solar uma grande forma de emprestar dinheiro com segurança, dessa forma, todos ganham com uma só operação.