Saiba como analisar a qualidade de um sistema de energia solar!

Saiba como analisar a qualidade de um sistema de energia solar!

Tempo de leitura: 

5 minutos

Os sistemas de energia solar são soluções sustentáveis cuja demanda vem aumentando dia após dia. Além de contribuir para minimizar a agressão ao meio ambiente, esses sistemas contribuem para reduzir os custos mensais da conta de luz.

O painel solar apresenta células solares que absorvem a energia da luz e a transferem em forma de elétrons. São esses elétrons que se encarregam da produção de energia elétrica a partir da radiação absorvida.

É importante, no entanto, saber analisar a qualidade de um sistema de energia solar. Leia o post e confira algumas dicas de como realizar essa análise com sucesso!

O desempenho e a eficiência dos módulos fotovoltaicos

Primeiramente, é necessário ter certeza de que o desempenho dos módulos está realmente à altura das necessidades e expectativas do usuário. Para avaliar com cuidado essa performance, é preciso saber o quanto de energia elétrica o equipamento produz e relacioná-lo ao consumo da casa ou empresa.

Quanto mais watts por metro quadrado o módulo solar tiver, maior será o seu desempenho e melhor será seu potencial para gerar energia elétrica. A eficiência de um painel solar deve ser de, no mínimo, 15%.

Ele também deve apresentar baixo coeficiente de temperatura, pois assim ele funcionará bem em dias quentes (nesses dias, o painel perde parte de sua eficiência por causa da temperatura elevada das células).

Porém, existem outros critérios relacionados à qualidade de um sistema de energia solar — como a experiência do fabricante e o tipo de material usado.

A nota do PBE

Outro critério a considerar na hora de analisar a qualidade de um sistema de energia solar é a nota dada pelo Programa Brasileiro de Etiquetagem de Módulos Fotovoltaicos do Inmetro (PBE).

O PBE desenvolveu um método de classificação que avalia a qualidade do painel solar em letras que vão de A (melhor qualidade) a E (qualidade mais baixa). Por sua vez, essa nota varia conforme a porcentagem de eficiência do sistema.

A vida útil do painel

Também é importante avaliar qual é o tempo médio de vida útil do painel solar. Geralmente, os fabricantes oferecem um mínimo de 25 anos de garantia, o que já representa um excelente custo-benefício.

O consumidor deve avaliar, antes de adquirir o produto, se ele suporta mudanças climáticas e ambientais diversas. O sistema fica exposto a praticamente todas as formas de interferência da natureza e, por isso, convém avaliar até que ponto ele suporta essas intervenções (radiação UVB e UVA, chuva e oxidação, por exemplo).

Os fabricantes apontam certificados e outros diferenciais que seus produtos apresentam. Nesses diferenciais, vale a pena considerar o design e o bom acabamento do painel.

A estética do painel

Para ter certeza da qualidade de um sistema de energia solar, é importante considerar o design, a estética do painel solar. Se a peça ao redor do painel (ou quadro) for confeccionada em alumínio, por exemplo, é um bom sinal, já que equipamentos soldados ou aparafusados apresentam uma qualidade melhor.

Os painéis anodizados em preto costumam estar entre os modelos de melhor qualidade. A anodização é um processo químico que dificulta a oxidação do metal. A anodização é um processo aplicado sobre metais como alumínio, titânio, tungstênio, tântalo, zircônio e nióbio.

Deve-se sempre considerar que a estética e a eficiência precisam caminhar juntas. Ou seja, a primeira não pode ser pouco funcional, não deve ser apenas um elemento decorativo para chamar a atenção dos consumidores e aumentar as vendas — ela deve ajudar o equipamento a oferecer uma funcionalidade satisfatória.

A certificação IEC 61215

Apenas o selo do Inmetro não assegura a qualidade de um sistema de energia solar. Por isso, recomenda-se procurar um painel com boa nota do PEB e com certificação IEC 61215. O atestado aprecia 18 ensaios importantes que asseguram a qualidade do módulo fotovoltaico:

  1. inspeção visual: análise do painel em uma área iluminada a fim de identificar defeitos que possam ser visualizados;
  2. determinação da potência máxima, Pmax: parâmetro de desempenho que também é exigido pelo Inmetro;
  3. resistência de isolamento: teste de segurança elétrica;
  4. teste molhado de fuga de corrente: análise do isolamento da placa solar em condições de muita umidade e das possibilidades de choques elétricos decorrentes dessas condições;
  5. medição dos coeficientes de temperatura;
  6. medição da temperatura nominal de funcionamento da célula, NOCT: comparação entre diferentes modelos de módulos fotovoltaicos;
  7. desempenho do painel solar na STC (condições padrões de teste) e NOCT;
  8. desempenho do painel solar em baixa irradiância: teste em condições de luz escassa;
  9. teste de exposição ao ar livre;
  10. teste de resistência de hot-spot: avaliação da capacidade de suportar aquecimento provocado por sujeira, rachadura nas células, sombreamento parcial ou interconexão com falhas;
  11. teste de resistência UV;
  12. ensaio de reciclagem térmica (200 ciclos);
  13. teste de umidade e congelamento;
  14. teste damp-heat, 1.000 horas: definição da vida útil do módulo fotovoltaico;
  15. robustez de teste terminações: teste de estresse mecânico, simulando a montagem normal e a manipulação por meio de ciclos diferentes e níveis de resistência, flexão e torque;
  16. teste de carga mecânica;
  17. teste de resistência contra granizo;
  18. ensaio térmico diodo by-pass: análise do comportamento térmico do sistema sob condições de hot-spot.

Além dessa certificação internacional, podem ser conferidas outras certificações, agora relativas a algumas falhas específicas: a IEC 61730, a IEC 61701 e a IEC 61345.

As características de outros elementos

Em relação aos inversores, é importante considerar alguns critérios. Um deles é a assistência técnica nacional, que elimina a necessidade de fazer compras de peças fora do Brasil e custear uma manutenção mais cara e mais difícil.

Outros pontos a observar são eficiência acima de 96% e garantia de 5 ou mais anos. O ideal é que os inversores tenham MPPT (caso o inversor possua 2 MPPT, melhor será a possibilidade de realizar arranjos eficientes). MPPT é a sigla para Rastreador de Ponto Máximo da Potência.

A função desse equipamento é rastrear o ponto de máxima potência do painel solar e entregar tal potência na rede da concessionária, o que permite um significativo aumento no rendimento do sistema de energia solar.

Em relação aos cabos e conectores, eles devem ser específicos para sistemas de energia solar, devendo ter durabilidade similar à dos painéis solares e inversores.

O orçamento do sistema

É importante considerar o cálculo de geração de energia (watts) por R$ investido. Porém, todos os outros critérios mencionados anteriormente devem ser considerados também para que haja uma avaliação equilibrada do orçamento.

Nesse caso, é importante priorizar os fatores que o consumidor considera os mais importantes. Avalie aquilo que é mais relevante quando se trata de substituir a energia elétrica tradicional pelo sistema de energia solar.

Analisando de forma personalizada, levando em conta suas próprias prioridades, o consumidor poderá identificar os diferenciais mais importantes que ele mesmo procura nos painéis fotovoltaicos.

E agora? Entendeu como analisar a qualidade de um sistema de energia solar? Aproveite para entrar em contato com a HCC Engenharia e conheça nossos produtos!