Saiba como foi a nossa visita na Cidade Azul, a primeira usina solar do Brasil

Saiba como foi a nossa visita na Cidade Azul, a primeira usina solar do Brasil

Tempo de leitura: 

2 minutos

Na última semana tive a oportunidade de conhecer a usina Cidade Azul, o primeiro empreendimento de maior porte de energia solar fotovoltaica no Brasil. A usina localiza-se em Tubarão – SC e opera desde 2014 com uma potência instalada de 3MW. Na época foram investidos mais de R$ 30 milhões de reais, resultados de um programa de P&D da ANEEL em parceria com a UFSC e outras empresas.

Atualmente quem administra o parque é a francesa ENGIE. O parque energético possui caráter experimental e serve para estudos, já que estão sendo utilizadas 3 tecnologias diferentes de módulos fotovoltaicos ( silício policristalino, silício amorfo e seleneto de cobre, índio e gálio). Além disso são testadas várias topologias de inversores para simular diversas situações de arranjo dentro do próprio parque.

A área possui mais de 19 milmódulos instalados e distribuídos em uma área de 10 hectares, a qual era um antigo depósito de cinzas de carvão produzidos pela usina termoelétrica Jorge Lacerda que fica próxima do parque. A energia solar gerada no parque é injetada em uma rede de 13,8kV da concessionária CELESC.

A estrutura dessa usina solar é bem simples, até por que o principal objetivo é de pesquisa. No entanto, é possível identificar um controle da irradiação e temperatura medidas com o deslocamento do sol, através de uma estação com piranometros fixos e móveis. É importante ressaltar que o local da usina foi definido mais pelo ponto de vista operacional do que pelo ponto de vista incidência de radiação solar, ou seja, o local onde foi instalada a planta não possui uma atratividade alta com relação a produção de energia.

Elaborar usinas fotovoltaicas pode ser uma alternativa para aqueles consumidores que possuem um alto consumo e não dispõem de área de telhado suficiente.

São grandes as vantagens de projetar uma usina solar:

  • Escolha de um local apropriado que possui boas condições de irradiação solar;
  • Melhores condições técnicas para evitar sombreamento;
  • Melhor operação do sistema, muito impactado por uma diminuição da temperatura nos módulos em função do tipo de estrutura utilizado;
  • Facilidade de manutenção e limpeza;
  • Em alguns locais é possível utilizar o rastreador solar e maximizar a geração;

Algumas desvantagens associadas aos parques solares são:

  • Aumento do custo inicial em função das estruturas, projetos civis e arrendamentos da área;
  • Investimento com segurança para evitar o vandalismo;
  • A necessidade de reforços na rede da concessionária, dependendo do local;

Para os projetos de parques solares é muito importante que se faça uma boa análise do local da obra para garantir a confiabilidade da geração. É importante ressaltar que terá que ser realizado um investimento em rede elétrica para a conexão e também será necessária a contratação de uma demanda junto a concessionária. Esse tipo de projeto é muito viável e se aplica a minigeração (até 5mW) com isso os critérios de compensação são simples e regulados pela RES 687 da ANEEL.

Confira a seguir algumas fotos da visita

Vista da usina solar Cidade Azul em Tubarão – SC

Estação de monitoramento da irradiação solar

Gostou do post? Curta nossa fanpage e receba vários outros posts interessantes sobre o universo das energias limpas.