O que analisar na hora de reduzir custos fixos de uma empresa?

O que analisar na hora de reduzir custos fixos de uma empresa?

Tempo de leitura: 

7 minutos

Reduzir os gastos sem afetar a produtividade de um empreendimento é fundamental para garantir maior lucratividade e superar os momentos de crise. Essa tarefa pode até parecer complicada, mas é perfeitamente possível, pois os custos fixos de uma empresa podem ser otimizados por meio de planejamentos e estratégias de gestão.

A primeira medida a ser tomada é estudar o orçamento empresarial, separando os custos fixos e variáveis. Os custos fixos são os que independem do nível de atividade da organização; já os variáveis oscilam de acordo com o volume de vendas ou a produção industrial.

Feita essa distinção, é hora de saber o que analisar antes de reduzir os custos fixos de uma empresa, bem como o papel da energia solar na economia da corporação. Continue lendo e confira!

O que deve ser avaliado no momento de reduzir os custos fixos de uma empresa?

Quando o assunto é a redução de custos fixos de uma empresa, há algumas questões que devem ser avaliadas para garantir maior eficiência nos processos. Acompanhe agora os principais pontos!

Estrutura da empresa

Antes de começar a cortar gastos, o empresário precisa entender como funciona a estrutura do negócio e descobrir em qual realidade financeira ele se encontra. Juntamente a isso, é necessário considerar a cultura e os objetivos da empresa, para implementar técnicas e métodos para atingir esses objetivos.

Ao analisar a situação financeira da companhia, será possível detectar quais são os maiores gastos e os recursos indispensáveis para a preservação da qualidade do produto ou serviço. Isso fará com que os cortes sejam criteriosos.

Afinal, o objetivo é preservar o bom funcionamento da organização. Uma dica é manter um histórico com todos os gastos e revê-lo periodicamente, para conferir se os cortes feitos prejudicaram o desempenho empresarial.

Gestão de pessoas

Checar a condição dos funcionários também é fundamental. Isso porque uma boa equipe de colaboradores é essencial para proporcionar o melhor desempenho possível da empresa.

Nesse sentido, é importante valorizar os bons profissionais e mostrar-se aberto a eles, seja para sugestões ou para críticas. Já quanto aos que não mostram desempenho compatível com o que o cargo exige, talvez seja melhor demiti-los.

Além disso, é importante garantir que a jornada de trabalho esteja sendo otimizada. O ideal é evitar expedientes longos e exaustivos, na medida em que são pouco produtivos e que o pagamento de horas extras é dispendioso.

Se houver a necessidade de algum funcionário trabalhar em jornada extra, a melhor saída é a formação do banco de horas, já que não há o pagamento adicional, e o colaborador pode ter um descanso eventual. No entanto, se o acordo for individual, ou seja, sem a negociação coletiva, a compensação deve ocorrer no prazo máximo de 6 meses.

Outra forma de economizar é adotando o home office, já que espaço físico, material de escritório e energia elétrica são poupados. Além disso, o funcionário pode trabalhar ainda mais satisfeito — e o teletrabalho foi regulamentado pela reforma trabalhista.

Gestão de fornecedores

A gestão de fornecedores é fundamental para garantir o bom desempenho da empresa e evitar gastos desnecessários. Nesse contexto, o primeiro passo é pesquisar se os seus fornecedores são, de fato, os melhores para você. Essa análise deve incluir:

  • o preço dos produtos;
  • os gastos com frete e logística;
  • as condições de pagamento;
  • a pontualidade na entrega dos produtos;
  • a qualidade dos materiais;
  • a responsabilidade nos negócios.

Afinal, não adianta o fornecedor ter o produto mais barato e atrasar na entrega ou cobrar um preço alto pelo frete. Se todos esses requisitos não estão sendo bem atendidos, o ideal é buscar por novas parcerias. Essa pode ser uma boa oportunidade de reduzir custos que, a princípio, não se mostravam um problema.

Modernização

Modernizar a empresa pode soar como um aumento nas despesas, mas, em longo prazo, o resultado é justamente o contrário. Isso porque equipamentos eletrônicos e maquinários antigos consomem mais energia e são mais lentos do que os modernos. Assim, trocá-los significa maior produtividade e redução da conta de energia.

Mas a modernização também é benéfica ao funcionamento da empresa como um todo. Com o incentivo ao compartilhamento de arquivos entre funcionários, à digitalização de documentos e processos administrativos e ao armazenamento na nuvem, o uso de papel é reduzido. Além disso, esse tipo de atitude reduz a necessidade de espaço físico e de mão de obra para o armazenamento de documentos em papel.

O uso de softwares para gerar a nota fiscal eletrônica também é uma boa saída, uma vez que os cálculos são realizados automaticamente, reduzindo a chance de erros e o tempo de serviço. Além disso, há maior facilidade de armazenamento.

Há, ainda, as pequenas iniciativas, como substituir o copo descartável pela caneca individual. Uma atitude para diminuir a despesa com a compra de copos também ajudará o meio ambiente.

Terceirização de serviços

Terceirizar alguns serviços pode ser uma ótima forma de reduzir gastos e melhorar a performance. Todavia, é importante analisar o que convém ser terceirizado.

Ainda que a terceirização de serviços relacionados à atividade-fim seja permitida, essa saída pode não ser a ideal para a companhia. Isso, porque o comprometimento dos funcionários contratados indiretamente tende a não ser o mesmo.

Já a terceirização de setores como limpeza, manutenção e segurança, além de favorecer a redução dos custos, pode melhorar o serviço. Outra opção é o uso de serviços por aplicativo, como Uber, Cabify (estes para transporte) e Encontre um nerd (para suporte técnico de informática).

Despesas com energia elétrica

Toda organização precisa de energia para funcionar, mas a conta costuma ser cara e comprometer boa parte do orçamento empresarial. Por isso, buscar formas de reduzi-la é fundamental para economizar com os custos fixos da companhia.

Para conseguir tal redução, a empresa pode adotar desde medidas simples, como a troca de lâmpadas incandescentes por modelos fluorescentes ou de LED, até a restrição de horários para o uso do ar-condicionado e a conscientização dos funcionários para que desliguem seus computadores e demais aparelhos eletrônicos ao final do expediente.

Há, também, as medidas estruturais, como a abertura de janelas para a entrada da luz natural. Todavia, a iniciativa mais eficiente nesse ponto, a ser adotada conjuntamente com as demais, é a instalação de painéis de energia solar.

Além de captar a própria energia solar e reduzir drasticamente o consumo, se houver excedente de energia, ela ainda pode ser enviada à rede e vendida para a companhia de energia elétrica.

Como funciona a energia solar em uma empresa?

É fato que um dos principais gastos em uma empresa está relacionado ao seu consumo de energia elétrica. Nesse sentido, quando o assunto é a redução de custos, uma das formas de garantir esse objetivo é por meio do investimento em equipamentos alternativos de fonte de energia, como é o caso dos painéis fotovoltaicos.

Basicamente, eles têm a função de captar a radiação proveniente do sol e, com a utilização de placas solares, converter a energia solar em elétrica. Esse processo de produção energética gera grandes resultados para uma empresa, pois contribui para que parte ou até mesmo toda a demanda de eletricidade da corporação seja alimentado pelo circuito solar.

Com isso, há uma redução significativa nas contas finais. Vale ressaltar que, pelo fato de o Brasil ter um clima predominantemente tropical, há maior viabilidade de utilização desse equipamento na maioria das regiões do país. Confira agora as 4 principais vantagens desse tipo de energia na redução de custos!

1. Bom retorno sobre investimento

A princípio, tem-se como uma das principais vantagens o excelente retorno sobre o investimento. Isso, porque, ao empregar um sistema de energia solar em sua empresa, é possível rapidamente cobrir os valores investidos com a economia de gastos em eletricidade. Além disso, os equipamentos têm uma vida útil relativamente grande, chegando a durar até 25 anos com 80% de sua eficiência. Isso contribui para que esse projeto gere lucro à empresa por um bom período de tempo.

2. Evita esgotamento de recursos naturais

Pelo fato de o mecanismo de energia solar ter como principal fonte energética a radiação solar, esse sistema garante a vantagem de ser renovável, ou seja, não há a possibilidade de esgotamento de sua fonte com o tempo de uso. Por isso, as empresas que investem nessa tecnologia, diferentemente de empreendimentos que utilizam como matéria-prima combustíveis não renováveis, como petróleo e gás natural, estão de acordo com os princípios da sustentabilidade ambiental.

3. Marketing instantâneo gerado pela energia solar

A causa ambiental tornou-se um dos principais temas nos debates sobre desenvolvimento social e econômico do futuro. Nesse sentido, os empreendimentos que buscam investir em energia limpa demonstram maior preocupação com a temática ecológica e com a comunidade ao redor da empresa. Isso contribui para que a postura gerencial da corporação seja bem avaliada pelos consumidores, aumentando, com isso, o marketing do negócio.

4. Gastos reduzidos com manutenção

Por fim, é válido ressaltar que as placas fotovoltaicas têm um custo de manutenção relativamente baixo. Os processos de limpeza são simples e devem ser feitos, em média, a cada seis meses. Com os gastos reduzidos pela baixa manutenção, há um ganho econômico significativo, o que contribui para o desenvolvimento do negócio.

A instalação dos sistemas fotovoltaicos também é um investimento a ser feito, pois será recuperado em poucos anos, e você ainda tem a chance de contribuir com o meio ambiente. Ao analisar todos esses pontos, é possível ver mais claramente o que fazer para reduzir custos fixos de uma empresa, não é mesmo?

Gostou do artigo e deseja saber mais sobre os painéis solares? Então, entre em contato conosco e converse com um de nossos consultores!