O que é e como instalar um inversor de energia solar?

O que é e como instalar um inversor de energia solar?

Tempo de leitura: 

7 minutos

Para instalar e utilizar um sistema de energia solar é preciso contar com alguns equipamentos. Depois das placas coletoras, o inversor de energia solar é um dos mais importantes deles, pois é o que garante a estabilidade e o funcionamento do sistema.

Antes de partir para essa opção, contudo, é interessante conhecer como funciona esse elemento. Assim, você entenderá melhor a geração e o uso dessa energia, e poderá ter mais segurança na contratação.

A seguir, confira as principais informações sobre o inversor solar e aproveite para tirar todas as suas dúvidas!

O que é e para que serve o inversor?

Quando os coletores solares captam os raios de sol e geram a energia fotovoltaica, ela ainda não pode ser utilizada. Isso porque a corrente formada é do tipo contínua (CC), enquanto o padrão adotado no uso doméstico é alternada (CA). É preciso, então, converter essa corrente para que a energia fotovoltaica seja usável.

É justamente esse o papel do inversor de energia solar: com um funcionamento complexo, ele envia uma tensão alternada logo na saída. Assim, a corrente gerada para a linha apresenta as características adequadas, garantindo o funcionamento correto de todo o sistema. Para isso, ele pode tanto ser instalado perto do quadro de luz, como é mais comum, quanto em áreas específicas determinadas pelo projeto.

Quais são os tipos de inversor de energia solar?

Dependendo das características do projeto, o inversor pode ser de vários tipos. Por isso, conhecer os principais deles é a melhor maneira de entender o que faz sentido para cada necessidade. Vejamos, a seguir, os mais usados atualmente.

Grid tie

Líder de uso, esse modelo é conectado ao sistema de energia elétrica “tradicional”. Essa conexão com a rede é o que faz com que a corrente excedente seja direcionada para a linha da distribuidora. É possível, assim, receber créditos e descontos na conta de luz no final do mês.

O grid tie gera a melhor utilização da energia para um sistema sem armazenamento, e conta com recursos específicos de segurança — o que acontece quando se alinha aos parâmetros da rede, garantindo que o funcionamento seja interrompido quando há uma queda de luz.

Off grid

Os inversores off grid, por sua vez, são utilizados em instalações que não estão conectadas à rede. Nesse caso, a corrente é convertida e o excedente é armazenado em baterias especiais.

Essa é uma alternativa adequada para locais isolados, como uma zona rural sem acesso à rede de energia, por exemplo. Também é adotada em sistemas cuja geração é mais intensa, como para uso industrial.

Microinversores

Os microinversores são instalados de forma individual, em cada painel de coleta solar. Isso faz com que o conjunto funcione de maneira compartimentada e independente, permitindo a realização de escolhas específicas. Uma escolha ideal para quem deseja expandir o sistema, por exemplo, e até para quem pretende ter uma fonte de alimentação contínua em certos pontos.

Vale dizer, contudo, que eles são do tipo grid tie, só adequados, então, aos que têm conexão com a rede.

Como deve ser feita a sua instalação?

É fundamental, em primeiro lugar, que o componente seja de alta qualidade, produzido com segurança e respeitando os padrões e normas internacionais. Além disso garantir a sua eficiência, trata-se de um cuidado essencial quanto à proteção.

A seguir, veja os pontos principais da instalação de um inversor solar:

  • planejamento do sistema — há uma avaliação de qual será a capacidade de energia gerada e de como será o uso. A partir disso, dá para definir qual é a melhor abordagem para instalar o inversor;
  • realização do cabeamento indicado para a situação — aqui são utilizados materiais específicos para a corrente alternada, além da conexão com a rede ao final da etapa;
  • durante a instalação, também é recomendado contar com uma string box — ela funciona com fusíveis, saídas e disjuntores, o que ajuda a controlar melhor a atuação de inversão;
  • o ideal é que tudo seja feito por uma equipe especializada — isso garante que todos os parâmetros sejam definidos da forma correta, evitando problemas como a perda de desempenho, por exemplo;
  • ao final, deve-se garantir que a energia fotovoltaica seja usada do jeito esperado;
  • os inversores podem ser instalados em diferentes lugares — em uma casa, podem ficar perto do quadro de luz, nas proximidades do sistema fotovoltaico, enquanto em indústrias e distribuidoras comercias pequenas o aconselhável é reservar uma sala apenas para abrigar o equipamento.

Esse local ideal para a instalação do inversor, na verdade, dependerá das necessidades do cliente. O dispositivo tanto pode ficar próximo, para que a produção de energia seja monitorada constantemente, quanto pode ficar longe, por causa do pequeno ruído emitido, que acaba desagradando algumas pessoas.

Quais cuidados é preciso tomar?

Bom, como dissemos, para que tudo funcione como o esperado, é indispensável tomar alguns cuidados com o inversor de energia o solar. O primeiro deles diz respeito à produção do sistema: dependendo da quantidade de placas coletoras que forem adotadas, o conjunto produzirá mais. Então, o inversor precisa ter a capacidade específica para não queimar e poder operar.

Se o grupo de coletores gera 2 kWp, por exemplo, o equipamento tem que comportar esse valor. Caso seja preciso fazer uma expansão, como ao instalar um volume ampliado de coletores, o inversor terá que ser mudado — ao menos é o que ocorre na maioria dos casos. Sem operar acima do limite, é mais fácil evitar acidentes e problemas diversos.

Quanto ao local de instalação, ele deve ser protegido do sol, da água, do vento forte e da umidade. Também é preciso garantir uma circulação de ar na estrutura da máquina: isso evita o seu aquecimento em excesso, garantindo que tudo funcione dentro do previsto.

Outra exigência importante é a de prestar atenção nos equipamentos que serão utilizados pela rede. De forma geral, a maior parte dos eletrônicos e eletrodomésticos funciona com o uso desse componente. Outras opções, no entanto, como máquinas cirúrgicas e elementos sensíveis, exigem uma conversão especial.

Por fim, para que tudo sempre ofereça os resultados desejados, não se esqueça da manutenção. Ela serve para garantir a otimização dos componentes e permitir que o inversor funcione com sua máxima capacidade. Assim, quanto maior for o cuidado com esse aspecto, menores serão os gastos necessários com reparos, por exemplo.

Quais são os custos de investir em um inversor solar?

Quando o sistema fotovoltaico é conectado à rede de energia elétrica pública, o sistema é vendido completo — ou seja, com painéis, inversores, estrutura de fixação, materiais elétricos, instalação e projeto. O valor do equipamento, assim, acaba diluído.

No geral, o valor do inversor varia conforme a potência nominal e outros fatores: quanto maior for o dispositivo, mais baixo é o preço pela potência. Desse modo, um inversor que tem 75kWp pode apresentar um preço de R$ 35.000,00, por exemplo, enquanto outro de 3kWp pode oferecer preço de R$ 5.000,00. Analisando esses valores, vemos que o primeiro inversor custa R$ 467,00 por kWp, ao passo que o outro custa R$ 1.667,00 a cada kWp (kWp = quilowatt-pico).

A seguir, mostramos alguns preços aproximados de inversores grid-tie nas lojas de varejo:

  • 1 kWp — R$ 1.500,00 a R$ 3.000,00;
  • 2 kWp — R$ 2.000,00 a R$ 3.000,00;
  • 4 kWp — R$ 4.500,00 a R$ 5.000,00;
  • 6 kWp — R$ 8.000,00 a R$ 9.000,00;
  • 8 kWp — R$ 9.500,00 a R$ 11.500,00;
  • 12.5 kWp — R$ 12.500,00 a R$ 15.000,00;
  • 25 kWp — R$ 15.000,00 a R$ 18.000,00;
  • 75 kWp — R$ 34.000,00 a R$ 40.000,00.

Vale dizer, ainda, que quando se deseja instalar um gerador de energia solar, deve-se adquirir o gerador completo, com inversor, painel solar, estrutura de fixação, componentes. Como os geradores têm benefícios fiscais, o preço do inversor fica mais baixo.

Quais são as principais marcas disponíveis hoje?

Dentre os critérios usados para se definir as melhores marcas de inversor de energia solar, podemos destacar:

  • qualidade e confiabilidade;
  • suporte/assistência técnica;
  • características do equipamento;
  • garantia;
  • monitoramento;
  • preço.

Considerando isso, vejamos um pouco sobre os principais fabricantes de inversores atualmente.

Fronius

Com mais de 20 anos de atuação em território brasileiro, a Fronius é formada por três unidades de negócios bem-sucedidos: energia solar, tecnologia de soldagem e carregadores de baterias. Sua sede fica em São Bernardo do Campo (SP), perto da Rodovia dos Imigrantes.

Sua equipe reúne 70 profissionais capacitados, com mais de 35 representantes e filiais em todo o Brasil. Até por isso, o atendimento aos clientes é rápido nos serviços de assistência técnica, peças de reposição e treinamentos.

SMA

A SMA é considerada uma das mais importantes fabricantes de inversores do mundo. Ela está representada em muitos países, como Brasil, Chile, EUA, Alemanha, México, Canadá, Coreia do Sul, França, China, Austrália, entre outros.

HUAWEI

Essa é uma fabricante estrangeira que apresentou um novo modelo de inversor em 2017, mais econômico. Sua atuação acontece hoje em mais de 170 países, mas trata-se de uma organização norte-americana.

WEG Solar

Empresa pioneira no fornecimento de tecnologia fotovoltaica no mercado nacional, a WEG Solar mantém tradição e qualidade de produtos que fazem dela uma das indústrias brasileiras mais bem-conceituadas até hoje.

Enfim, como podemos ver, o inversor de energia solar é um componente essencial para o funcionamento desse sistema. Com a escolha e a instalação adequadas, ele é o responsável pela conversão correta da energia fotovoltaica. Isso, ao final, é o que garante um ótimo desempenho — algo que será refletido na economia com a conta de luz, inclusive.

Agora, se gostou deste artigo e quer continuar sempre por dentro das próximas novidades, acompanhe os nossos perfis nas redes sociais! Estamos no YouTube, no Instagram, no Facebook e no LinkedIn.