Será que vale a pena substituir a energia elétrica por solar? Veja aqui!

Será que vale a pena substituir a energia elétrica por solar? Veja aqui!

Tempo de leitura: 

5 minutos

No que se refere à captação de energia solar, o Brasil é um país privilegiado. O fato de estar localizado ente os trópicos certamente influencia muito. Há locais em que o índice de insolação é muito alto, o que favorece o sistema fotovoltaico de captação solar.

A utilização dessa fonte vem crescendo tanto em edificações comerciais quanto residenciais. O custo-benefício que ela oferece realmente compensa. Há incentivos do governo que também estimulam a adoção dela. Veja os motivos pelos quais compensa substituir energia elétrica por solar!

O sistema fotovoltaico permite um rápido payback

Instalar um sistema de captação de energia solar é um investimento, porque a partir do momento em que a rede inicia a geração de energia, o consumidor já começa a conseguir um retorno do capital aplicado — representado pela economia na conta de luz.

Muitos são os critérios analisados quando vai se considerar o payback. Entre eles estão a tarifa da companhia de energia elétrica, a inflação que a própria eletricidade vem sofrendo ultimamente, as dimensões do sistema fotovoltaico.

Atualmente, o payback médio de uma estrutura de energia solar instalada em uma residência varia entre 4 a 7 anos.

O sistema tem uma vida útil muito longa

Outra razão para você substituir energia elétrica por solar é que o sistema apresenta longa durabilidade. Mesmo sendo instalados em lugares mais altos e, consequentemente, mais expostos ao sol, à chuva e aos ventos, os módulos solares apresentam vida útil que ultrapassa os 25 anos.

A maior parte dos fabricantes do produto oferece essa garantia: o sistema fotovoltaico alcança 25 anos de vida útil produzindo, pelo menos, 80% do total de energia que fornecia no início.

Já o inversor, que é outro aparelho da rede, tem vida útil mínima de 15 anos. Mas, com a devida manutenção, esse prazo pode ser ainda maior.

O sistema requer pouca manutenção

Um carro, por exemplo, precisa de manutenção em um período médio trimestral. O sistema fotovoltaico, embora fique funcionando continuamente por um período aproximado de 12 horas diárias, requer menos frequência de manutenção.

A limpeza das placas solares (ou módulos) pode ser realizada pelo próprio usuário do sistema. Mas esse processo só é necessário, caso as peças se encontrem realmente muito sujas. Esse acúmulo não é comum, considerando que elas vêm protegidas por uma película antiaderente que evita impurezas.

A chuva retira a poeira, mas no caso de excremento de aves e de poluição, é preciso fazer uma higienização mais séria que, por sua vez, não deixa de ser um procedimento muito simples, exigindo somente uma mangueira para dar um jato de água e uma vassoura de cerdas macias.

Outro ponto a levar em conta na manutenção do sistema fotovoltaico é a limpeza elétrica. Essa operação é menos frequente, podendo ser efetuada apenas uma vez por ano e assegurando que o sistema não apresentará problemas na geração de energia.

O sistema resiste às intempéries

Os fabricantes agem de forma proativa e confeccionam o produto de modo que apresente tolerâncias e proteções contra surtos. Isso porque eles sabem perfeitamente os riscos aos quais os equipamentos elétricos estão expostos, sujeitos a diversos fenômenos da natureza.

Os módulos são tão resistentes que suportam até os impactos do granizo, comum em áreas muito frias do Brasil, como a Região Sul.

Portanto, trata-se de uma tecnologia avançada que resiste a raios, chuva, ação do sol e aos ventos fortes.

A geração de energia é silenciosa

Outro motivo para substituir a energia elétrica por solar é que o sistema fotovoltaico não provoca ruídos que incomodam as pessoas dentro de casa. O processo de geração de energia elétrica, a partir da fonte solar, é totalmente fotoquímico e não mecânico.

O efeito fotovoltaico acontece de forma silenciosa no interior de cada célula que compõe a placa do sistema. Assim, ele não impede você de tirar um bom cochilo pela tarde.

A captação de energia solar protege contra a inflação energética

Além de ser um investimento que oferece um elevado retorno econômico, o consumidor se protege contra a constante inflação da energia elétrica.

Em função da estruturação do setor elétrico em nosso país e das crises políticas e econômicas, a tendência é que o preço da energia elétrica continue aumentando.

Além disso, conforme a Resolução 482/2012, existe o bônus do Sistema de Compensação de Energia. O sistema fotovoltaico pode ser conectado à instalação elétrica pública de maneira simplificada e atender as necessidades da residência ao mesmo tempo em que injeta na rede pública o excedente de energia solar que for produzido.

Esse excedente volta para a empresa ou para o consumidor como créditos de energia. Essa bonificação vale durante 36 meses. É uma vantagem que pode ser utilizada para realizar o pagamento da conta de luz da própria edificação ou de outra que seja pertencente a mesma pessoa.

A instalação do sistema fotovoltaico é rápida

Finalmente, vamos falar sobre a implantação do sistema fotovoltaico como outra vantagem que comprova que substituir energia elétrica por solar é uma boa decisão.

O período médio para estruturações feitas nas residência é de 2 a 3 dias.

Conheça o processo para substituir a energia elétrica por solar

Primeiramente, é preciso entrar em contato com uma instituição especializada para fazer um orçamento. O serviço integral envolve o kit de equipamentos mais a instalação. Boa parte das empresas oferece esse serviço completo.

Depois do negócio fechado, um técnico especializado visitará a construção e calculará as dimensões dos espaços que receberão a rede (os módulos, o inversor, a string box e o ponto em que o sistema fotovoltaico será conectado à unidade de consumo). As estruturas sobre telhados sempre exigem atenção especial.

Depois da visita técnica, dá-se início a um projeto executivo que analisará a viabilidade da implementação do sistema, fazendo simulações com softwares específicos. Em seguida, a equipe de engenharia comunica ao setor logístico os materiais necessários à implantação.

A empresa fornecedora define o dia da entrega dos equipamentos e quem serão os profissionais que efetuarão o serviço.

A instauração se inicia com a estrutura na qual se fixará o sistema. Os trilhos são parafusados e nivelados a fim de que os módulos não fiquem mal encaixados ou apresentem problemas de torção. Essas peças são, então, conduzidas para o telhado e fixadas. Segue-se a instalação da parte elétrica do sistema. Na parede, são firmados o inversor e a string box acompanhada dos fusíveis, chave seccionadora, DPS e disjuntores.

É feita a conexão elétrica do sistema, sendo o inversor integrado à construção por meio dos disjuntores.

São realizados testes para averiguar, por exemplo, os componentes de proteção, os níveis de tensão e a corrente de geração.

Depois, a distribuidora de energia da rede pública analisa para confirmar se está tudo conforme as regras e substitui o medidor convencional pelo medidor digital e bidirecional, o qual registra o total de energia consumida pela edificação e o excedente gerado.

Substituir energia elétrica por solar é vantajoso para as edificações — o consumidor adota uma solução sustentável e reduz suas contas de luz!

E aí, qual é a sua opinião sobre esse assunto? Aproveite os espaços abaixo e deixe seu comentário!