Você sabe quais os equipamentos que mais gastam energia? Descubra aqui!

Você sabe quais os equipamentos que mais gastam energia? Descubra aqui!

Tempo de leitura: 

6 minutos

Para economizar na conta de luz — cujos aumentos nas tarifas, devidamente aprovados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), têm sido uma constante —, é preciso saber quais são os equipamentos que mais gastam energia. Assim, pode-se tomar uma série de atitudes sustentáveis para que haja a redução dos gastos — sem contar que, com o alívio nas finanças, o dinheiro poupado pode ser investido em outras prioridades.

Para conhecer os principais “gastões” existentes em residências, escritórios e empresas, acompanhe este artigo!

Quais são os equipamentos que mais gastam energia nas residências?

Em casa, o valor da conta de luz tem relação direta com os hábitos dos moradores. Por isso, é preciso ter mais consciência no que diz respeito ao uso da energia. Conheça alguns dos responsáveis pela gastança residencial:

Chuveiro elétrico

Banhos rápidos são essenciais não só para economizar água, mas também para poupar energia. A temperatura também influencia, por isso, sempre que possível, prefira deixá-lo de morno para frio (na posição verão).

Para sua segurança e em prol da economia, nunca tente reaproveitar uma resistência queimada. Também é importante limpar os furos de saída de água periodicamente, para usar menos energia.

Lavadora e secadora

Deixe juntar uma quantidade maior de peças e lave-as de uma vez só (respeitando o limite indicado pelo fabricante). De tempos em tempos, limpe o filtro das máquinas, para exigir menos dos motores.

Sempre que possível, deixe as roupas secarem ao tempo, estendidas no varal. Use a secadora apenas para ocasiões emergenciais (e, ainda assim, evite colocar peças muito molhadas).

Ferro de passar

Como a demora para aquecer aumenta o consumo de energia, passe toda a roupa (escolha apenas as que realmente têm de ser passadas) de uma vez e evite pausas no meio do serviço.

Para economizar ainda mais, tecidos delicados podem ser alisados após desligar o aparelho, quando o ferro ainda está quente.

Geladeira

Por menor que seja sua cozinha, planeje-a para que a geladeira não fique ao lado do fogão — o que interfere no gasto energético de ambos. E nada de forrar as prateleiras — o que exige ainda mais esforço do eletrodoméstico.

Com exceção de períodos de calor muito intenso, raramente há necessidade de ajustar a temperatura da geladeira no modo mais frio (ou verão).

Para evitar o desperdício de energia, deixe o termostato no modo menos frio (ou inverno) e crie o hábito de abrir a porta apenas quando souber o que deseja pegar.

Geladeiras antigas precisam de cuidados: primeiramente, não pendure nada para secar na parte de trás, o que aumenta o consumo. Também é importante fazer o degelo periodicamente e verificar se as borrachas de vedação estão boas.

Aquecedor elétrico

O boiler elétrico (usado para aquecer a água em alguns lares) tem o custo de energia mais caro quando comparado ao boiler a gás e, mais ainda, ao solar.

Por isso, uma boa alternativa é substitui-lo pelo boiler solar (o qual, vale mencionar, não ocupa espaço dentro de casa e não compromete a estética do imóvel para promover o aquecimento).

Quais são os equipamentos que mais gastam energia em escritórios?

Engana-se os que pensam que, nos escritórios, o elevado consumo de energia seja culpa exclusiva dos aparelhos de ar-condicionado. Além deles, confira alguns dos possíveis responsáveis pelas pesadas contas de luz:

Ar-condicionado

Para economizar, sempre que estiver funcionando, mantenha as portas e janelas do ambiente fechadas, bem como as persianas abaixadas, e ajuste-o a uma temperatura que seja agradável para a maioria, em torno de 23 a 25 °C.

Para garantir o bom funcionamento, é preciso proteger a parte externa do equipamento da incidência do sol, mas sem bloquear as grades de ventilação. E, como sempre, quando o ambiente for desocupado, deve-se desligar o aparelho.

Além disso, a manutenção preventiva (para a limpeza dos filtros) também é muito importante, tanto para a economia de energia elétrica quanto para a saúde dos colaboradores.

Impressora

Além do gasto de papel, as impressoras consomem uma quantidade considerável de energia (necessária para o aquecimento do toner).

Hoje em dia, o mercado já oferece modelos mais sustentáveis, os quais permitem imprimir — apenas o que for realmente necessário, como documentos e contratos — gerando menos resíduos e otimizando recursos.

Algumas marcas, por exemplo, já substituíram o toner por cera sólida, o que faz com que a fusão da tinta com o papel se dê por resfriamento, gerando mais economia.

Carregadores de celular

O problema não são os aparelhos em si, mas “guardá-los” conectados às tomadas, mesmo quando os celulares não estão sendo carregados (ou quando estão com as cargas completas).

Eletrodomésticos antigos

O reaproveitamento de objetos, principalmente móveis em bom estado, tem tudo a ver com o conceito de sustentabilidade.

Porém, quando se trata de eletrodomésticos, é preciso checar o consumo de energia para saber se, de fato, o custo-benefício compensa.

Benjamins

Novos ou velhos, evite ligar diversos equipamentos em uma mesma tomada, o que pode provocar superaquecimento e/ou aumentar as perdas elétricas (desperdiçando energia por meio das fiações).

Quais são os equipamentos que mais gastam energia em empresas?

O que leva ao alto custo da luz nas empresas de pequeno e médio porte (unidades consumidoras de baixa tensão) é a grande quantidade de aparelhos funcionando ao mesmo tempo.

Veja como amenizar o consumo e diminuir um dos principais custos fixos nas organizações:

Computadores

Se eles são capazes de aquecer o ambiente, imagine o quanto um conjunto de computadores, trabalhando todos ao mesmo tempo, consome de energia! Por isso, nos intervalos para o almoço e café, coloque-os em modo de espera.

Assim como os demais eletrônicos, ensine os funcionários a desligá-los e desconectá-los das tomadas todos os dias, ao término do expediente.

Lâmpadas tradicionais

Substitua as antigas incandescentes por fluorescentes compactas ou lâmpadas de LED — que, apesar de mais caras, são mais econômicas e duram muito mais.

Ao mesmo tempo, tire proveito da luminosidade natural, por meio de janelas amplas e grandes vãos, bem como do uso de cores claras nas paredes.

Por fim, incentive as pessoas a, sempre que saírem de um ambiente, apagarem as luzes.

Como saber o consumo médio de energia de um aparelho?

Para calcular o consumo (em kWh), é necessário conhecer a potência do equipamento, a qual está expressa no manual do fabricante.

Então, basta multiplicar a potência pelo número de horas utilizadas e pela quantidade de dias de uso (no mês), dividindo o resultado por mil. A equação fica assim:

Potência (W) x horas x dias de uso 1.000

Depois, para descobrir o custo mensal, basta multiplicar o consumo (em kWh) pelo valor da tarifa cobrada pela concessionária que atende sua região (mostrada na conta de luz).

O que mais é preciso observar para potencializar a economia?

Em casa, onde os horários tendem a ser mais flexíveis (pelo menos para quem não precisa dar conta das tarefas domésticas após o expediente), vale a pena fazer um planejamento em relação à utilização dos equipamentos.

Evite ligar a máquina de lavar, o ferro e outros aparelhos nos horários de pico de consumo (de manhã e no início da noite), períodos em que as tarifas são mais altas. Sempre que possível, é melhor deixar essas atividades para a parte da tarde.

Por fim, em casa, no escritório ou no trabalho, é importante usar eletrodomésticos com o Selo Procel, o qual permite ao consumidor comparar a eficiência e o consumo de energia entre os diferentes modelos disponíveis no mercado (classificados de A a E).

Além disso, evite deixar qualquer eletrodoméstico (com exceção de freezers e geladeiras) ligado às tomadas. Lembre-se de que aparelhos em stand-by também consomem energia.

Agora que você conhece os equipamentos que mais gastam energia, não fique à mercê dos aumentos nas contas de luz. Como mostrado, para economizar, tudo conta: de medidas simples, como as dicas e sugestões aqui citadas, a soluções de longo prazo, como investimentos em geração de energia solar fotovoltaica. Se quiser saber mais ou caso tenha alguma dúvida, deixe seu comentário no post. Teremos prazer em ajudá-lo!