Como reduzir a tarifa de energia em seu negócio? Confira aqui!

Como reduzir a tarifa de energia em seu negócio? Confira aqui!

Tempo de leitura: 

5 minutos

O controle de despesas empresariais é muito importante para garantir o sucesso do negócio. Também é preciso que as empresas se preocupem com maneiras de se tornarem mais sustentáveis, gerando benefícios econômicos, sociais e ambientais. A redução da tarifa de energia elétrica é uma medida que contribui para todos os esses fatores.

Neste texto, explicaremos como é composta a tarifa de energia, o que influencia a variação da conta de luz e como reduzir os gastos com eletricidade por meio de medidas práticas e eficazes. Continue lendo e veja todas essas informações para reduzir a fatura energética do seu negócio!

Entenda quais são as tarifas e os impostos da conta de luz

De acordo com dados da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), a fatura energética dos consumidores é composta pela soma do valor da energia gerada, dos custos de transporte de energia até as unidades consumidoras e dos encargos setoriais.

Assim, da conta final, 53,5% corresponde à compra e à transmissão de energia e a encargos setoriais; 29,5% a tributos como ICMS e PIS/COFINS; e 17% à distribuição de energia. Entenda mais sobre isso a seguir.

Impostos

Um dos impostos que incidem sobre a conta de luz é o ICMS, que é a sigla para Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços, uma tarifa da esfera estadual. A cobrança do PIS e CONFINS é de responsabilidade federal, e é uma forma de recolhimento de verba para atender a esses programas.

Bandeiras tarifárias

O Sistema de Bandeiras Tarifárias foi implementado em 2015 pela Aneel nas contas de luz, com o objetivo de sinalizar aos consumidores como será o custo de energia. A variação do custo depende das condições da produção de energia, como, por exemplo, os períodos de estiagem, que fazem com que o nível dos reservatórios diminua, culminando na necessidade de acionamento da termelétrica. Isso também pode ser aliado ao aumento na demanda, tornando o custo de geração ainda maior.

Nesse sentido, o sistema é dividido em três bandeiras: verde, amarela e vermelha. Elas são aplicadas nas contas de todos os estados brasileiros, exceto Roraima, que não faz parte do Sistema Interligado Nacional (SIN). Não é por acaso a semelhança com o funcionamento do semáforo de trânsito: a cor verde significa que as condições hidrológicas para geração de eletricidade são favoráveis, e o custo se mantém o mesmo. A amarela demonstra que as condições são um pouco menos favoráveis e a vermelha é ainda mais desfavorável.

Enquanto não há acréscimo no consumo quando a bandeira está verde, quando ela é amarela o consumidor deve pagar um acréscimo de R$ 0,015 para cada quilowatt-hora consumido. A bandeira vermelha é, ainda, dividida em dois patamares: no primeiro o acréscimo é de R$ 0,040 para cada quilowatt-hora consumido e o segundo implica em uma taxa de R$ 0,060.

Conheça medidas para reduzir as tarifas de energia

É fato que a conta de luz é um dos grandes vilões no orçamento das empresas, então é preciso tomar algumas medidas para reduzir os gastos com eletricidade.

Utilize luz e ventilação natural

A utilização de iluminação artificial e de condicionadores de ar é muito importante nas empresas, já que garantem o conforto e a produtividade dos colaboradores e conservam os equipamentos e materiais de trabalho. No entanto, é possível tomar alguns cuidados para reduzir os gastos com esse tipo de funcionalidade.

Adicionar mais janelas ao escritório é uma medida que evita o acionamento de lâmpadas na parte da manhã. Outra ideia interessante é a utilização de uma planta aberta, reduzindo o número de paredes, o que facilita a iluminação natural no local de trabalho. Em locais com pouca luminosidade, a adição de estruturas como claraboias e áreas de iluminação à estrutura arquitetônica mostram grande eficiência para economia de energia.

Mesmo que os aparelhos de ar condicionado não possam ser dispensados, o uso inteligente e consciente deles contribui para a economia. Em primeiro lugar, para aliviar o calor e manter a luminosidade, podem ser utilizados vidros especiais, que impedem a passagem da luz infravermelha e deixam a luz visível entrar no ambiente.

Além disso, o equipamento deve ser instalado na parte superior dos cômodos, para que o processo de refrigeração seja facilitado. A refrigeração ocorre por meio das correntes de convecção, que decorrem da diferença de densidade entre o ar frio e o quente. Por ser menos denso, o ar quente tende a subir, sendo esfriado pelo aparelho e descendo em seguida.

Evite aparelhos ligados sem necessidade

Deixar computadores, lâmpadas e máquinas de produção da empresa ligados por muito tempo sem que ninguém os esteja utilizando é algo que deve ser evitado sempre. Além disso, equipamentos em standby também consomem uma energia significativa, ao contrário do que muitas pessoas pensam.

Uma medida interessante é utilizar sensores de movimento e temporizadores nas lâmpadas instaladas em locais como banheiros e corredores. Dessa forma, a iluminação artificial só será acionada quando houver alguém no local, evitando que seja necessário que alguém se lembre de desligar o interruptor a todo o momento.

Ao encerrar o expediente, é importante que todos os equipamentos sejam desligados das tomadas, principalmente os monitores dos computadores. Pensando no trabalho que pode ser fazer isso em um escritório razoavelmente grande, vale a pena investir em tomadas que se desligam automaticamente após algum tempo em que os aparelhos não estão sendo utilizados.

Faça manutenções periódicas

Um sistema elétrico funcionando adequadamente evita que uma quantidade maior do que o necessário de energia seja consumida, diminuindo a tarifa de energia da empresa. Isso também vale para as funcionalidades elétricas, que devem ser verificadas periodicamente por técnicos especializados.

A verificação de fios, disjuntores, lâmpadas, quadros de luz e interruptores também impede a propagação de problemas elétricos como surtos e curtos, que podem comprometer toda a estrutura da empresa e colocar em risco a integridade humana.

Considere o uso de uma fonte alternativa de energia

Investir em uma forma de produzir eletricidade que não dependa do fornecimento usual é a forma mais eficaz de reduzir a tarifa de energia nas corporações de diferentes portes. Pensando na realidade brasileira, a melhor alternativa é a energia solar nas empresas, porque ela depende unicamente da incidência dos raios solares, recurso abundante no país.

Com a instalação de painéis fotovoltaicos, a empresa pode reduzir a fatura energética em até 95%, pagando apenas a taxa da concessionária de energia. Isso torna o negócio independente das flutuações do preço da eletricidade e dos diversos impostos. Ou seja, o sistema fotovoltaico é um investimento com retorno garantido!

Pronto! Agora, você já sabe como diminuir a tarifa de energia do seu negócio. Além de proporcionar economia financeira, essas medidas tornam as empresas ambientalmente responsáveis, contribuindo para um mundo mais sustentável!

E para conferir mais 6 dicas de como economizar energia elétrica, clique no link abaixo e faça o download do nosso e-book!

10 dicas para economizar com energia elétrica