Energia solar em casa: conheça as 6 principais vantagens

Energia solar em casa: conheça as 6 principais vantagens

Tempo de leitura: 

7 minutos

Gerar a própria energia se tornou uma realidade necessária nos atuais moldes do setor energético brasileiro. A escassez de chuvas — que ocasionou uma crise hídrica —, somada às deficiências de infraestrutura na distribuição, tem prejudicado bastante esse setor e contribuído para o aumento da conta do consumidor final. Isso tem feito as pessoas buscarem por alternativas para contornar o problema.

Por outro lado, as facilidades e os incentivos trazidos pela legislação, especialmente no que se refere à regulamentação do sistema de compensação de créditos, além da diminuição significativa nos custos de geração de energias renováveis em menor escala — a exemplo da energia solar residencial —, em razão dos avanços da tecnologia, despertam cada vez mais o interesse do consumidor em fazer uso desse modal.

No post de hoje, vamos nos aprofundar um pouco mais nesse assunto, apresentando e detalhando a você as 6 principais vantagens de se utilizar a energia solar em casa. Continue lendo e confira!

1. Economia no custo da energia elétrica

Como não poderia ser diferente, o principal motivo para a instalação de um sistema de geração de energia é financeiro. Atualmente, a alta tarifa de energia elétrica, associada ao grande grau de incerteza referente aos novos aumentos e às sobretaxas, torna esse custo cada dia mais pesado no bolso das famílias.

Como é sabido, somente nos últimos 3 anos a energia elétrica aumentou mais de 60%. Por esses motivos, a geração própria torna-se uma grande alternativa de investimento e de economia.

No que diz respeito à energia solar, sobretudo em razão dos avanços das tecnologias de captação e conversão, todo o aparato físico para a sua geração teve os custos reduzidos significativamente, chegando a 80% de economia.

Assim, o que no passado era restrito às residências de alto poder aquisitivo, hoje já se democratiza e começa a estar presente em grupos familiares de todas as classes — e também em empresas.

2. Independência energética

Outra grande vantagem de se utilizar o modal de energia solar em casa é a independência energética. É fundamental destacar a importância de se conquistar esse status (associado ao benefício citado no tópico anterior).

Ao conseguir gerar a sua própria energia, uma família estará, por exemplo, isenta de novos tributos ou aumentos que sejam incluídos na conta. Além disso, sofrerá muito menos com as oscilações do setor elétrico em virtude da diminuição do volume de chuvas ou outros problemas.

Também vale destacar que essa independência energética dentro de uma residência pode significar mais conforto e menos preocupação. Afinal, você poderá fazer uso de equipamentos e utensílios domésticos que, notadamente, são conhecidos como os vilões da conta de energia, como o ar-condicionado.

Assim, é possível ter a comodidade de contar com o equipamento funcionando sempre que precisar, mas sem aquela preocupação com a fatura do final do mês. É evidente, porém, que toda essa independência tem certos limites.

O maior deles é a intermitência com que a energia solar é produzida. Como os módulos fotovoltaicos são alimentadas a partir da incidência solar, períodos noturnos, de chuvas ou com baixa ocorrência solar prejudicam a sua produção.

3. Valorização do imóvel

O sistema de geração fotovoltaica possui uma longa vida útil. Estima-se que ele dure de 25 a 30 anos — ou seja: no momento em que uma família instala um sistema dessa natureza estará automaticamente incorporando ao seu patrimônio um ativo de baixa depreciação e com um alto valor agregado.

Esse fato causa um acréscimo considerável no valor do imóvel não só por questões de infraestrutura física investida, mas também pelo aspecto tecnológico da residência e, principalmente, devido à sustentabilidade, altamente valorizada nos dias de hoje.

Além disso, o investimento em um sistema de energia solar atualmente requer um modal inovador (e que certamente se tornará padrão nos próximos anos). Para se ter ideia do crescimento do setor, mesmo com as dificuldades impostas pela crise, a utilização da energia fotovoltaica cresceu cerca de 300% ao ano nesse período.

A projeção é que o Brasil esteja entre os 5 maiores geradores desse tipo de energia do mundo até 2030. Essa tendência é um bom indicativo de que seu imóvel será diferenciado no mercado — o que, por consequência, valorizará todo o seu patrimônio.

4. Melhoria no conforto da família

Hoje, é muito comum residências fazerem grandes esforços para economizar energia elétrica, principalmente porque o valor da conta aumentou consideravelmente e tem sido um dos itens mais onerosos dentro do orçamento das famílias, sobretudo daquelas mais numerosas.

Isso impacta diretamente no dia a dia das pessoas, que, como dito em tópico anterior, passam a abrir mão de alguns eletrodomésticos que garantem maior conforto dentro de casa, mas que acabam consumindo muita energia, como é caso do ar-condicionado e chuveiro elétrico.

Sendo assim, pode-se dizer que a opção por um sistema próprio de geração, que seja capaz de suportar o consumo de energia desejado, traz uma melhora na qualidade de vida da família. Todos poderão, sem medo, ter o conforto de estar em um ambiente climatizado e tomar um banho quente sem sofrer com altos valores na conta. Tudo isso ocorre de forma sustentável, renovável e eficiente.

5. Retorno considerável do investimento

Esse é, sem dúvida, um dos pontos que mais geram resistência nos consumidores na hora de instalar um sistema de geração de energia solar em casa. Porém, o que podemos adiantar é que todo o investimento realizado nessa instalação tem um retorno satisfatório.

Como se sabe, o Governo Federal implantou, desde 2015, o sistema de bandeira tarifária na conta de energia elétrica, em razão das dificuldades de geração enfrentadas pelo setor. O sistema ficou assim dividido:

  • bandeira verde: condições favoráveis de geração de energia. Não há acréscimo na tarifa;
  • bandeira amarela: condições menos favoráveis. Sobre a tarifa, incide um acréscimo de R$ 0,020 para cada quilowatt-hora (kWh) consumido;
  • bandeira vermelha — patamar 1: condições mais custosas de geração. A tarifa tem um acréscimo de R$ 0,030 para cada quilowatt-hora consumido;
  • bandeira vermelha — patamar 2: condições desfavoráveis de geração. A tarifa sofre acréscimo de R$ 0,035 para cada quilowatt-hora consumido.

Em resumo, quanto mais caro estiver para se produzir a energia no Brasil, mais alto ficará o valor que o consumidor final pagará e mais viável (e rápido) será o retorno do investimento em energia solar. De todo modo, o retorno é certo, pois a energia brasileira já é relativamente cara, mesmo com a bandeira verde.

Além disso, estamos falando de um sistema que tem uma vida útil de cerca de 30 anos, com baixo custo de manutenção. Isso significa que esse é um investimento altamente duradouro.

É certo que, hoje, a aquisição de um sistema do tipo ainda seja onerosa para grande parte das pessoas, mas, como vimos, esses custos já foram significativamente reduzidos e a tendência é que isso se acentue ainda mais. Em geral, o retorno do investimento para uma família média — de 4 a 5 pessoas — costuma ocorrer em um prazo de 5 a 6 anos.

6. Facilidade de instalação

Outra grande vantagem de se optar por um sistema de energia solar em casa está relacionada à facilidade com que o processo é realizado. Diferentemente do que muitos acreditam, a instalação não requer grandes adaptações na residência e nem demandará muito tempo para ficar 100% operante.

Em geral, a instalação de um sistema do tipo envolve basicamente uma parte prévia de planejamento e mensuração das necessidades ou dificuldades da produção da energia naquela residência específica.

Nessa fase, o projeto é realizado. Apontada a necessidade da família, é feito o dimensionamento da quantidade de módulos fotovoltaicos e do posicionamento de cada uma — devendo sempre se considerar a incidência máxima de luz solar.

A etapa seguinte da instalação envolve a execução propriamente dita. Nela, seguindo o projeto, os painéis serão posicionadas no telhado da casa, sem grandes dificuldades e adaptações, visto que são equipamentos bem leves e de fácil fixação. Em seguida, o que se faz é situar o sistema de gerenciamento e conversão — que, geralmente, fica sob o telhado — e adaptar o quadro de distribuição.

Ao final do processo, uma equipe da concessionária de energia elétrica local vai até a residência atestar a correta execução do projeto e substituir o medidor de energia por um bidirecional — isto é: que seja capaz de medir a energia que entra e sai para se fazer a compensação dos créditos.

Por fim, a crise hídrica no Brasil é uma realidade, assim como a necessidade de se buscar por alternativas mais limpas e sustentáveis de geração de energia. Como vimos, a energia solar residencial é a tendência mais forte para que esse problema seja contornado.

As vantagens do modal são inúmeras — e as 6 que listamos servem apenas para mostrar alguns dos principais benefícios que você vai experimentar quando optar por investir nessa tecnologia. O sistema é viável e os ganhos são certos. Agora é com você!

E então? Gostou de saber mais sobre a energia solar residencial? Quer aprofundar seus conhecimentos sobre esse tema (e outros relacionados)? Assine nossa newsletter e receba os conteúdos mais relevantes diretamente em sua caixa de e-mail!