Sustentabilidade na construção civil: tudo que você precisa saber!

eNERGIA SOLAR PARA CONSTRUÇÃO CIVIL

Tempo de leitura: 

14 minutos

Sustentabilidade é um termo muito popular atualmente. De certo modo, ele se contrapõe ao capitalismo sem limites, que representava a exploração econômica máxima, não importando se isso esgotasse os recursos naturais e comprometesse o meio ambiente.

Hoje, um capitalismo mais consciente ganhou espaço no mercado. São exatamente grandes empresas e indústrias que mais aplicam o conceito de sustentabilidade, adotam práticas menos agressivas na exploração dos recursos naturais e na geração de riquezas.

Ao adotar práticas sustentáveis na sua obra, será possível reduzir custos, ganhar qualidade e obter muito mais benefícios. Por isso, vale muito a pena ficar por dentro das iniciativas de sustentabilidade na construção civil. Continue a leitura e saiba mais sobre o assunto!

O que é sustentabilidade?

Sustentabilidade é um termo associado à capacidade de conservação/sustentação de um sistema ou processo. De forma mais específica, o conceito se refere ao modo como devemos agir em relação ao meio ambiente.

Para se alcançar a sustentabilidade, é necessário implementar o desenvolvimento sustentável, ou seja, o desenvolvimento que atende às necessidades do presente sem comprometer as gerações futuras.

Os três pilares da sustentabilidade são:

  • social — o capital humano;
  • ambiental — os recursos naturais;
  • econômico — a produção, distribuição e consumo de bens e serviços.

As atividades sustentáveis na construção civil se tornaram praticamente indispensáveis para as empresas do ramo. Há grandes desafios a serem enfrentados nesse âmbito, como o volume de resíduos e entulhos no canteiro de obras, por exemplo. Além disso, existem atividades nocivas de extração de materiais e o consumo muito elevado de energia elétrica.

É fundamental que o gestor conheça a importância e as práticas mais assertivas de sustentabilidade para aplicar na construção civil. Somente assim ele poderá desenvolver diferenciais que destaquem seu negócio no mercado e contribuam de forma efetiva para a preservação ambiental.

Importância de investir em sustentabilidade na construção civil

A sustentabilidade na construção civil visa a garantir que sejam realizadas ações em todas as fases — antes, durante e depois das obras — para minimizar os impactos provocados no meio ambiente. Essas ações também devem potencializar a viabilidade econômica, garantindo uma qualidade de vida satisfatória para a sociedade atual e a futura.

É importante investir em energia renovável e econômica, na reutilização de materiais, na definição de opções de extração dos recursos naturais e em outras soluções que permitam a viabilidade de diferentes processos econômicos. A preocupação que existe atualmente em relação à sustentabilidade alcança todos os ramos da sociedade e a construção civil não pode se esquivar de suas responsabilidades.

Trata-se de um setor que consome muitos recursos da natureza e produz uma quantidade elevada de resíduos. Conforme a construtora e incorporadora Build Desenvolvimento Imobiliário, cada trabalhador gera, no canteiro de obras, aproximadamente 51,74 gramas de resíduos. Ao final do dia, há um total de 9 kg de resíduos, levando em conta que há mais de 170 trabalhadores no canteiro.

Além de ser um assunto que envolve a ética e a responsabilidade ambiental, a sustentabilidade na construção civil também é uma demanda dos consumidores que está sempre crescente. Isso acontece devido à mudança de hábitos nocivos de muitas pessoas, que se conscientizam cada vez mais da necessidade de construções ecologicamente corretas.

O que torna sustentável um projeto de construção civil?

Para que um projeto seja sustentável, ele deve adotar medidas em todas as etapas da construção que permitam alcançar esse objetivo. Essas medidas devem assegurar que os impactos negativos sobre o meio ambiente serão mínimos e devem contribuir para economizar recursos naturais e melhorar a qualidade de vida dos usuários da edificação.

Na verdade, o projeto de construção civil, para ser sustentável, deve se apoiar nos três pilares já mencionados anteriormente: o capital humano, os recursos naturais e a economia propriamente dita.

As características da obra sustentável

Desde a primeira etapa, é possível definir as características para que a obra final seja efetivamente sustentável, considerando o projeto e o conforto, a qualidade dos materiais e as técnicas alternativas:

O projeto e o conforto

Os projetos de sustentabilidade na construção civil devem procurar o maior conforto causando o menor impacto ambiental possível. Vários fatores são analisados:

  • as características do terreno;
  • a posição geográfica;
  • a pluviometria;
  • a insolação;
  • o comportamento dos ventos;
  • a planimetria;
  • a geologia;
  • a altitude;
  • a paisagem natural, que pode influir no sombreamento/insolação;
  • as construções em torno;
  • a relação entre o regime de ventos e de chuvas;
  • o tratamento apropriado dos resíduos;
  • a utilização de energia, dando prioridade à energia limpa e à energia renovável, que possa ser produzida pelo próprio consumidor (como a energia solar, que ajuda a reduzir a tarifa de energia no sistema on-grid).

Entre outros critérios relevantes, como a valorização do saber arquitetônico da população local, usados no que se denomina “arquitetura vernacular”, e que pode ajudar para um melhor desempenho da construção (conhecer bem o clima da região é fundamental para um bom projeto).

A NBR nº 15220/2005 orienta sobre o desempenho térmico das construções para uma só família. Também define um Zoneamento Bioclimático Brasileiro, passando diretrizes sobre construção e a explicação de algumas estratégias de condicionamento térmico.

A qualidade dos materiais

A escolha dos materiais deve levar em conta alguns pontos específicos. Entre eles, os seguintes:

  • a utilização preferencial de materiais que já estejam disponíveis na região;
  • da mesma forma, a prioridade deve ser de materiais produzidos a partir de fontes renováveis, recicláveis e reutilizáveis, ou ainda de itens já reciclados ou reutilizados;
  • a produção dos materiais deve provocar baixo impacto ambiental, além de contar com transporte e acesso adequado ao local .

A NBR nº 15575/2013 trata do desempenho das construções para habitação, definindo níveis de segurança, resistência e conforto para cada sistema que forma o imóvel: alvenaria, pisos, vedações, instalações e coberturas.

As técnicas alternativas

Trataremos mais a fundo essas técnicas na Parte 6. Elas também contribuem para reduzir o impacto nas construções. Existem sistemas construtivos que usam terra, madeira de reflorestamento ou nativa e bambu: blocos compactos de terra, tijolos de adobe, taipas de mão e pilão, terra em sacos, solo cimento, COB (combinação de areia, argila e palha), bambu em ripas, roliços ou meia cana.

São materiais cujo impacto no meio ambiente é baixo, desde a extração, passando pelo processamento e alcançando a execução, já que há pouca geração de resíduos inservíveis. Esses materiais oferecem alta durabilidade, eficiência energética e boas qualidades térmicas. Para obras cuja estrutura seja de madeira, a norma é a NBR nº 7190/1997.

As etapas da construção

Confira quais são as etapas de uma construção!

O início do ciclo de vida

O ciclo de vida de uma construção começa no planejamento, momento em que a concepção do projeto ocorre. Ou seja, é nessa fase que são feitas as pesquisas de viabilidade, a elaboração de projetos e as especificações. Nesse momento, já é necessário aplicar práticas de sustentabilidade na construção civil.

É preciso escolher o lugar da construção, considerar a região em torno e a dinâmica da área em que a obra será executada.

A implantação

A etapa de implantação da obra começa quando as práticas planejadas começam a ser aplicadas, principalmente as práticas de sustentabilidade, como aquelas que se propõem à redução de energia e ao controle para evitar o desperdício de materiais.

O uso e a manutenção

Essa é a etapa mais longa da vida útil de uma construção. Nessa fase, ela pode ou não se tornar sustentável — é uma condição relacionada à sua concepção, implantação e gestão. Algumas modificações podem ser efetuadas de modo que, ainda que a obra não tenha sido planejada e construída conforme práticas sustentáveis, ela poderá assimilar muitas soluções sustentáveis a partir das reformas.

A demolição

Trata-se da última fase da vida útil de uma edificação. Corresponde ao final de um ciclo de vida e, geralmente, ao começo de outro. Nessa etapa, é preciso atentar para pontos como o aproveitamento dos materiais, a reciclagem e a reutilização.

A certificação ambiental

A sustentabilidade na construção civil também garante algumas certificações. Elas confirmam que o projeto efetivamente é sustentável. Hoje em dia, os certificados mais usados no ramo são:

  • LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), cuja instituição emissora é a United States Green Building Concil;
  • Processo AQUA, de Alta Qualidade Ambiental, um certificado do Brasil baseado na certificação francesa HQE (Haute Qualité Environnemetale), a qual chegou ao país por meio da Fundação Vanzolini.

Elas focam nos pontos mais importantes de uma construção sustentável, pontuando de acordo com determinados itens, como a escolha do terreno, preservação de áreas naturais e a proximidade de serviços básicos, pois dispensa a utilização de carros para deslocamentos.

Em 2014, o Selo Procel Edificações foi estabelecido como uma ferramenta de adesão voluntária, cuja finalidade principal é identificar as construções que oferecem as classificações mais relevantes de eficiência energética em determinada categoria, estimulando os consumidores a usarem imóveis mais eficientes.

A energia solar no Brasil, por exemplo, está em destaque porque promove um custo-benefício bem satisfatório: as placas fotovoltaicas duram entre 20 e 25 anos, exigem pouca manutenção e o payback (retorno do investimento) ocorre geralmente no período de cinco ou seis anos.

Também em 2014, tornou-se obrigatório o uso da Etiquetagem de Edificações em prédios da Administração Pública Direta, Autárquica e Fundacional.

Benefícios da sustentabilidade na construção civil

Quando consideramos o consumo consciente dos materiais, a redução no desperdício e o reaproveitamento dos resíduos, entre outros fatores, a sustentabilidade na construção civil oferece diferentes vantagens à empresa. Acompanhe algumas delas!

O melhor custo-benefício

Atualmente, não é necessário investir altas somas em tecnologias sustentáveis. Além disso, há diferentes linhas de financiamento que facilitam a compra dos produtos. As edificações sustentáveis são muito valorizadas pelos consumidores, já que elas priorizam a utilização racional dos recursos naturais e a redução de tarifas.

A aplicação de materiais recicláveis também promove uma alta economia. Há telhas e tijolos reciclados, que têm materiais diversos em sua composição, como restos de embalagens PET e Tetra Pak, e até de pneus. Além dos custos menores, eles oferecem maior resistência.

É possível usar materiais plásticos reciclados em vez de madeira de verdade. A madeira plástica, por exemplo, resiste mais que a convencional e dispensa o desmatamento.

Maior conforto e valorização

Além da estética sofisticada, as edificações sustentáveis promovem um conforto maior aos usuários. Os métodos de construção atuais oferecem um melhor equilíbrio térmico a partir do isolamento das paredes, reduzindo a necessidade de sistemas de refrigeração e aquecimento, como o ar-condicionado.

A iluminação natural e o isolamento acústico, juntamente com métodos para coletar a água da chuva e a energia solar (sistema fotovoltaico, aquecedor solar), aumentam o conforto dos habitantes e diminuem despesas futuras, gerando maior valorização de sua propriedade.

Outras vantagens

Outras vantagens que a sustentabilidade na construção civil oferece à empresa:

  • redução geral de gastos pela melhoria dos processos;
  • incentivos fiscais;
  • maior apelo e conforto visual;
  • argumentos de vendas melhores, já que a sustentabilidade é um tema recorrente e valorizado pelos consumidores;
  • aumento da vantagem competitiva, pois o público prefere contratar os serviços de uma empresa que adota práticas sustentáveis.

Incentivos fiscais para empresas sustentáveis

Falamos brevemente no item 4 sobre os incentivos fiscais como uma vantagem para as empresas de construção sustentáveis. Os incentivos fiscais são estímulos oferecidos pelo Governo Federal e também pelos governos dos estados e municípios. Desse modo, uma edificação verde pode ser favorecida com descontos em tributos e linhas de financiamento especiais.

Em todo o mundo, especialmente nas nações mais desenvolvidas, existem muitos incentivos econômicos para construções sustentáveis. A Alemanha, entre outros países, paga uma remuneração às pessoas que geram energia excedente a partir de um sistema de placas fotovoltaicas.

Ainda que, no Brasil, os incentivos não sejam do mesmo porte, eles contribuem para diminuir os tributos que incidem sobre o imóvel. Em diferentes municípios, há o IPTU Verde, um desconto que favorece edificações que utilizam sistemas sustentáveis em reformas ou obras completas.

O valor de desconto do IPTU Verde varia de acordo com a cidade, mas costuma oscilar entre 5% e 20%. Os sistemas de ecoeficiência variam também, mas os principais envolvem:

  • a captação e o reuso de água;
  • a reciclagem e a reutilização dos resíduos dos materiais de construção;
  • a instalação de coletores solares para o aquecimento de água;
  • a instalação do sistema fotovoltaico de energia elétrica.

Em 2018, foi aprovado um Projeto de Lei, PLS nº 252/2018, com o objetivo de oferecer incentivos de natureza econômica às edificações que aplicarem práticas de redução de consumo de água e uma maior eficiência energética.

Os investimentos em sistemas que geram energia fotovoltaica e térmica caíram bastante porque se tornaram mais procurados, além de terem sido criadas novas linhas de crédito.

Vale falar ainda do Projeto de Lei da Geração Distribuída, ou PL nº 2215/2020, que trata da geração distribuída de energia solar. Ele prevê como o sistema de compensação de energia deve funcionar para os micro geradores e os minigeradores em diferentes categorias:

  • a geração local;
  • o autoconsumo remoto;
  • a geração compartilhada;
  • as múltiplas unidades consumidoras.

Principais práticas sustentáveis ​​para empresas

Vamos mostrar agora algumas das práticas mais recomendadas para garantir a sustentabilidade na construção civil. Continue com a gente!

Invista no conceito de Construção Verde

O Green Building (Construção Sustentável ou Edifício Verde) é um espaço que precisa aplicar processos de sustentabilidade em toda a concepção das obras de construção civil para resultar em vantagens econômicas, ambientais e à saúde. São obras que dispõem de requisitos de segurança, conforto, praticidade e proporcionam uma qualidade de vida elevada aos usuários.

O preço dos materiais utilizados nessa construção é bem menor que o dos materiais tradicionais. É o caso do tijolo ecológico, que traz preço mais acessível porque sua produção é diferente do modo de produção dos tijolos comuns, que consomem mais energia, pois é necessário queimá-los. Esse consumo maior de energia se reflete no preço ao consumidor final.

Os efeitos causados sobre o meio ambiente devem ser baixos, sendo que a economia dos recursos precisa ser otimizada, como energia elétrica e água. A forma de obter e manter os insumos segue os mais importantes parâmetros de sustentabilidade, por meio de processos seguros que possibilitam a recuperação dos recursos das jazidas.

Efetue a gestão correta dos resíduos

Para diminuir os impactos durante a efetivação de um projeto de construção, é fundamental gerenciar adequadamente os resíduos. Em edificações menores, a caçamba é um veículo útil que armazena todos os tipos de resíduos sólidos inservíveis. No final da obra, os resíduos devem ser encaminhados para lugares de triagem ou para aterros apropriados.

Nas obras mais complexas, convém investir em programas de gerenciamento ambiental a fim de separar os resíduos desde o começo ao final da obra. Existem diversas soluções que a empresa pode adotar para gerenciar os resíduos que são produzidos no canteiro, durante a execução do projeto.

A destinação apropriada dos resíduos é um dos pontos mais importantes para garantir a sustentabilidade na construção civil. Isso porque ela permite o reaproveitamento de materiais, diminui os gastos com a coleta, reutiliza uma quantidade maior de resíduos e os direciona às fábricas de reciclagem. Também se evita o desperdício de recursos e a poluição da natureza com lixo prejudicial.

Utilize novas tecnologias

A gestão adequada de todas as etapas no canteiro tende a melhorar quando são usados softwares que economizam recursos em geral, como energia elétrica. Os softwares permitem trabalhos mais produtivos, sem desperdícios, nem retrabalhos.

Hoje existem softwares diversos para tablets e celulares que ajudam a elaborar os projetos e monitorar as obras. Os cálculos do total de materiais ficam mais precisos, bem como o período gasto na execução, o controle dos insumos e outros pontos.

Adotar um sistema inteligente ajuda a diminuir os gastos com papel impresso. Dados valiosos, que eram registrados com caneta e papel, são obtidos de forma digital. Isso vale para vistorias recorrentes, listas e diferentes documentos.

Aplique as normas regulamentadoras

As certificações contribuem para atrair consumidores, pois o público moderno busca soluções mais sustentáveis. Já falamos sobre a importância dos certificados, que funcionam como medalhas para as empresas de construção.

A certificação LEED, que já foi citada também, avalia requisitos associados a:

  • eficiência hídrica;
  • implantação sustentável;
  • materiais e os recursos;
  • energia e a atmosfera;
  • inovação e projeto;
  • conforto ambiental;
  • crédito regional.

Vale lembrar as normas das quais falamos mais acima: NBR nº 15575/2013, NBR nº 15220/2005 e NBR nº 7190/1997, além do PL nº 2215/2020, sobre geração distribuída de energia solar.

Evite o elevado consumo de energia

Reduzir o consumo de energia é da máxima importância para diminuir danos ao meio ambiente. Na fase de planejamento, vale considerar práticas simples, como a possibilidade de aproveitar a ventilação e a iluminação naturais.

Para isso, é importante analisar a incidência do sol e do vento no lugar, o uso de materiais transparentes ou translúcidos que permitam a passagem da luz durante o dia e a organização dos espaços internos de modo a favorecer a circulação do ar.

Outras sugestões são:

  • lâmpadas LED, que consomem menos energia;
  • sistema fotovoltaico para autoprodução de energia;
  • sistema de aquecimento solar para aquecer a água da casa e/ou piscina;
  • cisternas para a captação de água pluvial.

Como se tornar uma empresa de construção civil sustentável

Para aplicar a sustentabilidade na construção civil, é preciso ter conhecimento sobre as formas com as quais uma empresa pode respeitar o meio ambiente e a comunidade em que vive. Não se trata somente de aumentar o potencial competitivo, mas de acompanhar uma tendência e exigências que se tornam cada vez mais rigorosas.

Enfim, é fundamental seguir as normas e toda a legislação pertinente, além de colocar em prática conceitos como “eficiência energética” (sistema fotovoltaico, aquecedor solar, lâmpadas e equipamentos de baixo consumo), “materiais inteligentes” (telhado verde, tinta ecológica, vidro inteligente, bioconcreto), “técnicas sustentáveis” (reuso de materiais, gestão de resíduos, iluminação e ventilação naturais). A tecnologia moderna é essencial para a aplicação desses conceitos.

Vantagens para o meio ambiente

A sustentabilidade na construção civil também promove vantagens diretamente ao meio ambiente, como:

  • preservação dos recursos naturais e dos ecossistemas;
  • redução da poluição ambiental (ar, água, solo);
  • melhor integração do homem com a natureza;
  • controle dos problemas críticos que afetam o meio ambiente (efeito estufa, desmatamento, entre outros).

Por onde começar?

Uma dica é começar pelo marketing verde, ou seja, o desenvolvimento de estratégias corporativas para divulgar no mercado produtos e serviços com responsabilidade ambiental. Aqui, entram ofertas que causem o menor impacto possível no meio ambiente.

No ramo da construção civil, a empresa deve começar a divulgar nas redes sociais e em outros canais de comunicação como realiza seus projetos e executa suas obras de modo que o público fique ciente de como funciona o trabalho e sinta-se interessado em procurá-la.

Ao divulgar suas práticas sustentáveis ao público, a empresa assume um sério compromisso que deverá cumprir na elaboração de seus projetos e na execução dos empreendimentos.

A sustentabilidade na construção civil é um tema atual que nenhuma empresa do ramo pode desconsiderar. Ela garante uma melhor qualidade de vida aos clientes, preserva o meio ambiente e melhora o potencial competitivo do negócio, principalmente porque respeita a legislação ambiental.

O que você pensa sobre o assunto? Concorda com o que falamos no post? Discorda de alguma coisa? Faça suas críticas e sugestões. Aproveite para comentar nos espaços abaixo!